Website on global south and decolonial issues.

A luta contra o petróleo e gás em Portugal: aprender a ganhar

Secção Pólen no Ar 

Em 2015 existiam 15 concessões para exploração de hidrocarbonetos – gás e petróleo – no território continental de Portugal, distribuídas desde o Algarve até à zona da Figueira da Foz. Começaram a ser atribuídas em 2007 pelo governo de José Sócrates, com o ministro da Economia, Manuel Pinho, a entregar as concessões no mar de Peniche e no mar do Alentejo. Inicialmente as concessões foram entregues à Petrobras, à Partex, à Hardman Resources e à GALP. Houve diversos trespasses de concessionárias e, passados oito anos, os contratos estavam nas mãos da Repsol, da Kosmos Energy, da GALP, da Partex e da ENI. Em 2011, já sob o governo de Passos Coelho, foram entregues concessões no mar do Algarve à Repsol e à RWE, sendo que a segunda transferiu os seus contratos mais tarde para a Partex. Em setembro de 2015, nos últimos dias do governo PSD-CDS, o ministro do Ambiente, Jorge Moreira da Silva, entregou mais duas concessões no mar do Algarve à Repsol e Partex, além de quatro concessões em terra, duas no Algarve (à Portfuel de Sousa Cintra) e duas em Batalha e Pombal (à Australis Oil&Gas). A coligação PSD-CDS perdeu as eleições mas estes contratos mantiveram-se.

Durante os útimos cinco ano desenvolveu-se a mais consequente luta “ambiental” das últimas décadas em Portugal, com amplitude regional, informação socializada para o grande público e um confronto social e político de grande intensidade. Além disso, e talvez o mais relevante, é a sucessão impressionante de vitórias, contra probabilidades consideradas por vezes inultrapassáveis, criando alianças sociais e políticas decisivas e articulando simultaneamente vários tabuleiros tácticos e estratégicos. 

Quaisquer anúncios de operações, furos, sondagens, sessões de esclarecimento, consultas públicas, mobilizaram milhares de pessoas. Inicialmente, o centro esteve no Algarve, onde a ameaça era mais iminente e a mobilização mais rapidamente organizada. Dos vários movimentos algarvios destacam-se a ASMAA, a Plataforma Algarve Livre de Petróleo, o Tavira em Transição, o STOP Petróleo Vila do Bispo, o Movimento Algarve Livre de Petróleo, o Preservar Algarve – Aljezur e o Preservar Algarve – Odeceixe. Apesar de dispersos por toda a região, estes movimentos foram incansáveis na mobilização local contra a exploração, com tácticas e estratégicas diversas e em muitos casos complementares. A expansão nacional da luta ganhou um carácter mais amplo, com a entrada da questão das alterações climáticas como um dos vértices centrais de contestação. A organização das Marchas Mundiais do Clima, o surgimento do Climáximo e, mais tarde, do Futuro Limpo e da ZERO, colocaram a questão da exploração petrolífera em Portugal no centro da então ainda incipiente agenda climática. Rapidamente houve um esforço organizativo no sentido de mobilizar localmente na zona Oeste em Peniche e no Alentejo, o que deu origem ao Peniche Livre de Petróleo, ao Alentejo Litoral pelo Ambiente, à mobilização de Tamera e São Luís e, mais tarde, ao aparecimento do Movimento do Centro do Gás e da campanha Linha Vermelha. Foram quatro anos de um profundo escrutínio cidadão e voluntário, de mobilização social quase ininterrupta, de estudo e divulgação informativa, científica, popular. 

Os movimentos conheciam os contratos melhor do que os governantes, conheciam as receitas, os impactos, os prazos, as datas, as portas giratórias, apanharam mesmo ministras a dizer em viagens oficiais que a exploração estaria para breve, apanharam funcionários das petrolíferas a trabalhar dentro dos ministérios, petrolíferas que ganharam os contratos e não tinham seguros ou mesmo funcionários, barcos a fazer trabalhos sem autorização, isenção de avaliações de impacto ambiental para furos em alto mar, governantes que assinaram os contratos pelo Estado e entraram de seguida nos Conselhos de Administração das petrolíferas. Tudo isto está registado em vários jornais e as denúncias dos movimentos foram sem dúvida centrais nas vitórias obtidas. Souberam também usar esta informação para articular estratégias, mobilizar na rua e agir judicialmente, pressionar politicamente e no campo da informação, fazer todas as perguntas difíceis e não largar a pressão até ganhar, apesar dos amorfos arranjos institucionais que tendem sempre a enterrar as lutas em questões acessórias. A afirmação e compromisso de não desistir foi central na vitória, abandonando as culturas de compromisso e negociação permanente que têm sido catastróficas para tantas lutas sociais e ambientais. 

Os primeiros contratos a cair foram os de Sousa Cintra em terra no Algarve. Seguiram-se os contratos no mar do Algarve ainda em 2016. No final de 2017, foram ultrapassados os prazos dos contratos do mar de Peniche e os mesmos caducaram, embora a GALP ainda tenha tentado resgatá-los sem sucesso. O mar do Alentejo era a zona mais apetecida, e o nessa altura já famoso “Furo de Aljezur” mobilizou não só as concessionárias GALP e ENI como todo o governo do PS, nomeadamente os ministros do Ambiente, João Matos Fernandes, e dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva. António Costa chegou mesmo a defender em directo na RTP a realização do furo em Aljezur. Contra alguma imprensa bastante adversa, que chegou mesmo a anunciar, em dia de manifestação contra o furo, que havia “1500 milhões de barris petróleo” ali no mar do Alentejo, a mobilização social nunca parou e milhares de pessoas em todo o país mobilizavam-se por esta causa, enquanto acções directas escarafunchavam as contradições, invadindo a GALP para enchê-la de areia e algas ou o Ministério do Ambiente para pagar o dinheiro sujo de “petróleo”. Esta mobilização social tinha consequências institucionais: municípios por todo o país, e em particular no Algarve, tomavam posição e acção contra os furos; no Parlamento o tema era discutido frequentemente, com dois campos antagónicos (BE, PAN e PEV contra a exploração, CDS, PCP, PS e PSD a favor) e moções discutidas, aprovadas, rejeitadas, criando mais clareza de que nada passaria “pelos pingos da chuva”. No fim, não foi da decisão do governo de António Costa, mas sim da ENI e da GALP que veio a decisão de desistir dos contratos do mar do Alentejo. O movimento derrotou as petrolíferas e o governo que as apoiava.

Manifestação Não Ao Furo!, abril em LisboaManifestação Não Ao Furo!, abril em Lisboa

Sobram neste momento dois contratos, Batalha e Pombal, sobre os quais já passaram os prazos para os primeiros furos, que teriam de ocorrer em 2019. O governo, magnanimemente, ignorou um panfleto que se apresentava como de estudo de impacto ambiental encomendado pela Australis Oil&Gas e empurrou qualquer decisão sobre os furos da Bajouca (Concessão Pombal) e Aljubarrota (Concessão Batalha) para 2020, já depois das eleições. No entanto, no verão passado realizou-se na Bajouca o Camp-In-Gás, Acampamento de Acção Contra o Gás Fóssil e pela Justiça Climática, que culminou com a ocupação por mais de 300 activistas do campo da Australis na aldeia, e plantação de um bosque de árvores autóctones. A força da mobilização local e o enorme crescimento do movimento pela justiça climática, em particular desde o aparecimento da greves climáticas, prometem travar quaisquer tentativas de deixar furar o que quer que seja. Se governo e petrolíferas quiserem avançar com este projectos, espera-os uma enorme derrota social, política e económica.

Lídia Jorge na concentração do ministério do ambiente, maio 18Lídia Jorge na concentração do ministério do ambiente, maio 18É difícil projectar adequadamente quanto a luta contra a exploração de petróleo e gás modificou a luta social em Portugal. Ela expressou uma mudança de táctica e de atitude em relação a outras lutas ambientais e em particular ela rebentou a bolha ambiental, para assumir-se como uma luta social, sobre modelo produtivo, sobre modelo de sociedade. Podemos no entanto, ter a certeza de que esta luta foi uma das rochas sobre as quais se ergueu o movimento pela justiça climática em Portugal, através de experiência, tentativa e erro, com convergências e divergências a nunca ditarem hesitação nos momentos de acção. 

Não existem grande dúvidas acerca dos efeitos económicos e políticos desta luta. A Gulbenkian foi obrigada a vender a sua petrolífera, a Partex Oil&Gas, depois da forte pressão social que sofreu. Surgiu a campanha Empregos para o Clima, cujo objectivo era também responder à frequente questão “se não fósseis, o quê?”, articulando sindicatos e movimentos pela justiça climática para construir um plano para a sociedade e travar o colapso climático. As alterações climáticas deixaram de ser um tema marginal em Portugal ainda antes do aparecimento de Greta Thunberg e das greves climáticas, e em Portugal o movimento grevista assumiu desde o primeiro momento a questão do fim das concessões petrolíferas como bandeira e reivindicação. A luta contra o petróleo e o gás acelerou rapidamente a agenda da descarbonização, escrutinando e expondo a hipocrisia institucional dos programas de neutralidade carbónica que não contavam com os aumentos de emissões associadas a futuros projectos.

Aumentou também o escrutínio de outros projectos com potencial aumento dramático de emissões, como a construção de um novo Aeroporto em Lisboa. O movimento português tornou-se conhecido pela Europa e articulou-se internacionalmente, contra os fósseis, contra a aviação, pela justiça climática. É hoje um movimento mais maduro e radicalizado, e a experiência de ganhar e de lutar sempre para ganhar tem de ser cultivada como cultura organizativa, já que menos do que isso não permitirá travar o caos climático.

No mês passado a campanha “A GALP tem de cair” (GALP must fall), baseada na campanha holandesa “Shell Must Fall” mobilizou vários colectivos nacionais e internacionais (como a Justiça Ambiental, de Moçambique) para exigir a nacionalização da GALP para a transição dos seus trabalhadores e conversão da empresa para o sector das renováveis. A campanha “Gás é Andar para Trás” reúne neste momento 21 organizações nacionais e internacionais e tem como objectivo expresso travar “a narrativa falsa e perigosa que pinta o gás como solução de transição”, focando-se naturalmente nos últimos contratos da Batalha e de Pombal, mas também enfatizando a rejeição das propostas de importação de gás liquefeito e o incentivo público a infraestruturas fósseis a nível europeu e mundial. 

A luta contra o petróleo e gás em Portugal, da perspectiva do movimento pela justiça climática, é claramente uma luta defensiva, isto é, apenas permite evitar aumentar ainda mais o fosso da crise climática. As lutas ofensivas, aquelas que constroem alternativas e maiorias sociais para um mundo sem combustíveis fósseis, são as que permitirão travar o colapso climático. Num momento de crise sanitária, social, de emprego e climática, todas em simultâneo, torna-se ainda mais claro que nenhuma delas é independente e nenhuma será verdadeiramente resolvida se as outras não o forem. A manifestação “Resgatar o Futuro, Não o Lucro”, que ocorrerá no próximo dia 6 de Junho, desenha algumas das principais linhas de contra-ataque para deixar de defender e começar a ganhar: proteger imediatamente quem precisa e transformar a sociedade agora, no momento da crise orgânica do capitalismo neoliberal global.

No momento em que a mobilização, mais que nunca, tem de ser ofensiva, a organização pela modificação radical da sociedade, para travar o capitalismo extractivista que só conhece a expansão infinita que garante a destruição absoluta, tem uma lição imprescindível para tirar da luta contra o petróleo: só quem lutar para ganhar poderá ganhar. 

Manifestação Não Ao Furo!, abril em LisboaManifestação Não Ao Furo!, abril em Lisboa

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Ut elit tellus, luctus nec ullamcorper mattis, pulvinar dapibus leo.