Website on global south and decolonial issues.

La Milagrosa

Criação artística e investigação antropológica entre divindades africanas e religiosidades católicas

Breve apresentação e documentação do projeto artístico e de antropologia visual de Rui Mourão que surgiu de uma pesquisa desenvolvida em torno do universo da Santería, sincretismo religioso entre divindades de origem africana e religiosidades de matriz católica que, ao longo da História, se foram gerando na resistência à repressão dos poderes coloniais e pós-coloniais em Cuba, continuando a existir apesar do contexto oficialmente ateu.

Exposição LA MILAGROSA, no Centro Cultural Emmerico NunesExposição LA MILAGROSA, no Centro Cultural Emmerico Nunes

Ao serem proibidos os ancestrais rituais africanos durante o período colonial espanhol, os escravos dissimulavam-nos na adoração a santos católicos que adoptavam com nomes dos seus deuses ancestrais, os chamados “orixás”. Criavam altares que se encontravam inicialmente no canto mais oculto dos barracões onde eram forçados a viver, continuando os seus descendentes atualmente a posicioná-los num canto escondido dos quintais ou, de forma mais assumida, colorida e encenada, na sala de entrada das suas habitações.

A obra La Milagrosa (2016) elabora uma exploração visual de crenças e práticas que levam o espetador da casa-templo de uma “santera” (praticante de Santería), seguindo por uma das maiores procissões de Cuba e passando por um dos mais belos cemitérios da América latina – o Cementerio Colón, em Havana. O percurso faz-se em 3 núcleos: com imagens em split screen de apresentação de um ritual sincrético (documentando testemunhos e práticas religiosas de uma “santera” e a busca por uma campa no Cementerio Colón); com imagens também de projeção dupla revelando-nos a intensidade performativa dos corpos e do ambiente na procissão a São Lázaro (correspondente ao orixá Babalú-Ayé, curador de enfermidades); e ainda um conjunto formando uma composição maior de 8 vídeos projetados com imagens de um altar de Santería (apresentando uma imagética onde se cruzam a cultura africana e europeia, ganhando uma identidade americana, em particular latinoamericana).exposição LA MILAGROSA, no Centro Cultural Emmerico Nunesexposição LA MILAGROSA, no Centro Cultural Emmerico Nunes

As cores e os objetos ganham especial importância na videoinstalação, tendo em conta a sua correspondência na mitologia ioruba trazida pelos escravos. Há todo um panteão de deuses através de santos, cores e objetos. Por exemplo, elementos ligados à água, como peixes ou estrelas do mar, correspondem à deusa do mar e da maternidade – Yemayá – sincretizada com a Virgen de Regla (pelo que a sua cor é o azul marinho); elementos de madeira trabalhada, como o pilão ritual (e as cores vermelha e branca) correspondem a Changó, que se sincretiza com São Marcos e Santa Teresa, afirmando-se “el Orisha de los truenos, los rayos, la justicia, la virilidad, la danza y el fuego. Fue en su tiempo un rey, guerrero y brujo”; elementos de cor amarela ou acobreada e que sejam doces ao paladar correspondem à deusa do amor e da sensualidade Oshún; entre vários outros orixás.

Os dispositivos de apresentação do trabalho artístico surgem em jogos duplos de imagens lado a lado, como binómios visuais que pretendem obter combinações de sentidos além da simples soma das imagens isoladas (em que não seja apenas: imagem A + imagem B = sentido AB; mas sim: imagem A + imagem B = sentido ABC). O resultado, entre a videoarte e a antropologia visual, apresenta-se num conjunto de várias projeções que formam uma videoinstalação multicanal.

página do autor 

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Ut elit tellus, luctus nec ullamcorper mattis, pulvinar dapibus leo.