Website on global south and decolonial issues.

UM LIVRO PIONEIRO SOBRE O CINEMA EM E DE MOÇAMBIQUE

sobre livro de Guido ConventsOs Moçambicanos Perante o Cinema e o Audiovisual. Uma história político-cultural do Moçambique colonial até à República de Moçambique (1896-2010).

Estou a ver o Guido Convents à minha frente, como se diz em português moçambicano, com seu ar solene, vagamente nostálgico, ou não fosse ele filho desse “Plât Pays” de que falava Brel, cantando-o, em francês. Que me perdoe ele a referência à língua de Yourcenar, agradável alusão, adivinho-a, para Monsieur. Pedro Pimenta, seguramente sentado a seu lado. Circunstância que dá une Belgique linguística e inusitada em Maputo. Guido Convents é de etnia flamenga. Não se riam…

Vejo-os porque há um filme batendo na cabeça que permite estas misteriosas artes de sangoma. Que ninguém se assuste e não trema a voz a Cristiana Pereira, esforçada leitora destas palavras de inscrição, que não de circunstância. Ao público presente,  aos cineastas e a todos os amantes do cinema, aquele Abraço.

Os Moçambicanos perante o cinema e o audiovisual – uma história político-cultural do Moçambique colonial até à República de Moçambique (1896-2010), que tive a honra e o prazer de rever, é uma obra seminal, pioneira.Trata-se do primeiro e abrangente olhar sobre o que foi a exibição, recepção e produção de imagens no imenso e belo território à beira-Índico pulsando. Obra extensa, com rigores metodológicos e profusa bibliografia, não deixa de se constituir como uma narrativa, em caleidoscópio, desse “mundo do cinema”, como gosta de salientar o autor, presente em Moçambique quase imediatamente após a céllebre sessão dos irmãos Lumière, em Paris. Estava Ngungunhane a começar a sofrer o seu exílio, nos Açores, tumultuava a terra moçambicana no começo de uma saga de ocupação que só terminaria em 1975.

Como humilde copy desk, não me cabe fazer a apresentação da obra. Devo dizer que, diante de tanto texto, às vezes escrito em “belguês”, me senti como o tipógrafo-revisor Raimundo, da obra de Saramago, tentado a mudar uma simples vírgula, não para adulterar a prosa, mas para conseguir abraçá-la por inteiro e de uma vez, restituindo-a à língua de Craveirinha. Mas como ganguissavam as palavras!… Só espero não ter falhado muito. Se notarem uma ou outra gralha, deixem-me ao menos subir às palmeiras, para citar o verso de António Jacinto e título do filme de Joaquim Lopes Barbosa, cujo, em sessão clandestina, vi no estúdio de Courinha Ramos, na antiga Latino Coelho.

Sobre o livro falarão, decerto, outros e mais autorizados leitores e especialistas. Eu não passo de um fantasma, uma tela de palavras, cuja articulação, sentido e som, vos chega na pausada leitura de Cristiana Pereira.

O que pretendo é fazer uma declaração de amor. Não se surpreendam nem tirem conclusões apressadas… Sou obrigado a este texto por irrecusável directiva de Pedro Pimenta. É ele o responsável.

E a declaração de amor tem como objecto de desejo essa magia de luz e som que dá pelo nome de cinema.

Lawrence da ArábiaLawrence da ArábiaCom este trabalho de Guido Convents dei por mim a fazer um imenso flash back. Vi-me a subir o elevador do Prédio Paulino Santos Gil para ir pagar as quotas do Cine-Clube, a descer do Alto Maé à baixa para assistir à estreia, no Varietá, do Lawrence da Arábia, de David Lean, com o velho porteiro e contínuo, o Picão, a dar-nos calduços no toutiço, que era o preço de uma entrada de borla, nós, espécie de “les enfants du paradis”, sozinhos, com um pirolito e um remexer de bolsos a ver se ainda dava para uma Coca-Cola. E a tarde de sábado, britânica… suspiraria Reinaldo Ferreira. Rememorei o que me contou José Craveirinha sobre as sessões no cinema popular que ficava na 24 de Julho onde é hoje o Museu da Revolução. E voltei a ver o letreiro já muito esbatido de um certo cinema “Variedades”, no Alto Maé, em cuja construção um avô colonial e pedreiro trabalhou.

Guido ConventsGuido ConventsAo filme interior, que esta obra de Guido Convents me suscitou, acrescentou-se a aprendizagem de tanto “facto/fado” ligado à aventura das imagens em Moçambique. Porque se trata de um livro com interessantes surpresas. A começar pela pelicula que se estreia no famoso cinema Império, da avenida de Angola. Depois, a rede de exibição que a Igreja católica, mas também outras confissões, mantinham junto da então chamada população indígena. O que eles viram meu Deus! Não se riam.

Tendo como fonte principal O Brado Africano, Guido Convents fornece-nos matéria para melhor percebermos como as diversas camadas que então constituíam a sociedade colonial se posicionavam em relação ao “mundo do cinema”: do proselitismo imperial e confessional ao posicionamento, com inquietações identitárias, das diversas camadas dos chamados filhos da terra. E de como o cinema, anos mais tarde, já em pleno impacto da luta de libertação, serviu como medidador e metaforização do debate político urbano sobre a afirmação nacional moçambicana. E foi instrumento de propaganda e divulgação da luta armada.

Do pós-independência falarão os ilustres apresentadores da obra. Aliás, atenta e minuciosa segunda parte deste livro. O que me ocorre é perceber o imenso interesse que o fenómeno cinemaográfico em Moçambique está a suscitar entre estudiosos, um pouco por todo o mundo, e de como nos pertencem também, aquelas imagens que os outros fizeram sobre nós. Mesmo as que estejam eivadas das singulares e imperiais retóricas que bem conhecemos.

Como ósculo final – happy end, portanto -, para esta misteriosa dama de Xangai na sua sala de espelhos, não queria deixar de homenagear os cineastas moçambicanos, cuja difícil e já significativa aventura, em meio de tantas dificuldades, teima em prosseguir.

Lendo esta obra de Guido Convents, percebe-se que há um desafio de produção, de exibição e de cultura que urge continuar. Há uma Cinemateca por criar. Há uma Lei do Cinema que é imperioso regulamentar, agilizar, adequar às realidades concretas do país.

O cinema moçambicano é parte do acervo histórico nacional, e uma ferramenta poética para perceber o presente e perspectivar futuros; é património cultural, a par da nossa literatura, da pintura, da escultura, do teatro, do canto e da dança, podendo espelhá-las a todas, essas belas e malasartes, mais a imensa riqueza linguística e diversidade de que é feita a invenção real e utópica da nossa plural identidade.

Last, bu not least, uma saudação a Pedro Pimenta e ao DocKanema, esse supremo atrevimento de Festival a querer colocar Maputo no road map do cinema africano.

Com um aceno de felicitações a Guido Convents, sugiro que comecem agora a falar a sério.

 

Kanimambo.

 

 

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Ut elit tellus, luctus nec ullamcorper mattis, pulvinar dapibus leo.