Website on global south and decolonial issues.

Mónica de Miranda

(Porto, 1976). Vive e trabalha entre Lisboa e Londres.

Licenciada em Artes Plásticas na Camberwell College of Arts (Londres, 1998), Mestre em Artes e Educação do Instituto de Educação (Londres, 2001),  doutorada na Middlesex University em estudos artísticos (Londres, 2014), como bolseira da  Fundação Ciência Tecnologia.

Artista colaboradora do Centro de Estudos Comparatistas, e faz a direcção artística do Centro de investigação artística – Hangar em Lisboa. Mónica foi uma das fundadoras da rede Triangle Network em Portugal, respectivamente coordenou as residências artísticas: “Offline”(2013); “Transitante” (2012) e “Home and Abroad” (2010). Participou em várias residências nas quais se destacam: “Artchipelago” (Instituto Francês, Rosehill, Maurícias, 2014), “Viagens Invisíveis“(São Tomé,2013) e “Hotel Trópico” ( Luanda, 2012), “Out” (Capacete, Rio de Janeiro, 2011), Erosion (Zero Point Galley, Mindelo, 2011); Verbal Eyes (Tate Britain, 2009); “Muyehlekete” (Museu Nacional de Arte, Maputo,2008) Living Together (British Council/ Iniva, Georgia/London 2008). 

Das suas exposições individuais destacam-se: “Arquipelago” (Carlos Carvalho, Lisboa, 2014), “Erosion” (Appleton Square, Lisboa, 2013), “An Ocean Between us” (Plataforma Revolver, Lisboa, 2012), “Underconstruction” (Pavilhão 28, Lisboa, 2009), “Novas geografias” (198 Gallery, Londres / Plataforma Revólver, Lisboa / Imagem HF, Amsterdam, 2008).

Das exposições colectivas destacam-se: “Ilha de São Jorge” ( 14ª Edição da Bienal de arquictectura de Veneza, Fondazione Giorgio Cini, Venice,2014), A Visão Incorporada – Performance para a câmara, (Internacional de Vídeo, Museu do Chiado, Lisboa, 2014),De Ultramar (The Pipe Factory, Glasgow, 2014), Analogue Eye (Cidade do Cabo, África do Sul,2014), “Line Trap” (Bienal de São Tomé e Príncipe, 2013); “An Ocean between us” (Paris Foto e Arco Madrid, 2013); “Hetero Q.B” (Museu do Chiado,Lisboa 2013); “Além das Margens” ( Plataforma Revólver, Lisboa, 2013), “Um retrato quase apagado, Bienal de Cerveira” (Vila Nova de Cerveira, 2013) “Do silêncio ao outro Hino” (Centro Cultural  Portugues, Mindelo, Praia,2012); “Devir Menor: Arquictecturas e práticas espaciais críticas na Ibero-América”, (Guimãres capital Europeia da Cultura, Guimares , 2012),“Arquivos secretos” (Arquivo Fotográfico de Lisboa, 2012); Once upon a time” (Carpe Diem, Lisboa, 2012); “L’Art est un sport de combat” (Musée des Beaux Arts de Calais, França, 2011),  “This location” (Mojo galeria Dubai, 2010), “She Devil” (Studio Stefania Miscetti, Roma 2010), “Mundos Locais” (Centro Cultural de Lagos/Algarve, Portugal, 2008), “Do you hear me ” (Estado do Mundo, Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa, 2008),” United Nations”(Singapura Fringe Festival, em Singapura, 2007). Mónica participou na Arco e no Paris Foto (Madrid e Paris 2013). Foi bolseira da DG Artes com o projecto Underconstruction (2009), da Fundação Calouste Gulbenkian (2014 e 2009) e do Instituto Camões com o projecto Novas Geografias (2009).

A sua obra esta representada em coleções nacionais e internacionais.

 

Mónica de Miranda

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Ut elit tellus, luctus nec ullamcorper mattis, pulvinar dapibus leo.