Website on global south and decolonial issues.

Diário de um etnólogo guineense na Europa (3)

13 de junho – os símbolos da tugalidade

Não tenho feito registos nos últimos tempos, mas não foi por ter perdido interesse em estudar e entender os tugas, foi, sim, por falta de tempo. Não é fácil estudar os tugas ou estudar qualquer coisa que seja quando temos de levantar às seis da manhã para ir bumbar nas obras e voltar para a casa com os ossos todos moídos. 

Na verdade, mesmo nas obras aprendo com os tugas, sei que eles gostam de ser chefes e de mandar em pessoas e, quando a pessoa não sabe falar bem português, uiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii, eles não lhe dão tempo mesmo, eles dizem que fala pretuguês. Espera, mas isso é quando és preto, porque os ucranianos simplesmente não sabem falar português bem, os brasileiros falam brasileiro, só os tugas falam português. Alguns deles, preocupados com o meu parco desenvolvimento linguístico, disseram-me assim: “Um dia hádes falar bem o português. Mas, caralho, tu estivestes a trabalhar treuze meses atrás com agente apenas e ainda não cabeu na tua cabeça aprender a falar bem.” Claro que coube, mas como diz o meu amigo brasuca: “O portugueis edifício, mermão”.

O tuga tem muito orgulho do português, tanto orgulho que muitas vezes o mistura com o inglês ou o americano… uadeváaaaaa… mas tem orgulho da tugalidade, tanto orgulho que até tem um dia para a liberdade tuga, um dia para a língua tuga, outro dia para a raça tuga e ainda outro dia para a república tuga. Quando descobri isso só pude pensar: “Fogo!, tantos dias! Que complexo estão a tentar esconder com essas tantas lembranças da tugalidade?” Ah, quase que me esquecia do dia para a Virgem Maria Tuga e do dia para o Santo António. A propósito, o que é isso do Santo António estar sempre rodeado de meninos ou de colocar o menino no colo? Isso é alguma espécie de erotismo doentio para os padres? Oh, já estou de novo a divagar.

Os tugas são até gajos fixes, muito fixes mesmo. Estão sempre preocupados comigo e com como vão as coisas no meu país e dizem-me: “Epá, estais a ver, desde que saímos do teu país, vocês só andaram a fazer merda. Mas a culpa é nossa, não sabiemos vos dar uma boa independência”.  Ahahahah, eles não sabem que tínhamos lutado por ela e a conquistamos.

O tio Paulo Bano Badjanca já me tinha falado que os tugas acham que só eles são grandes e sabem fazer as coisas e que ninguém mais sabe nada. Disse que os tugas quando fazem qualquer coisa, metem lá um símbolo. O tio Paulo contou-me que aquela estátua enorme da Maria da Fonte em Bissau foi na verdade construída por guineenses, que nem foram bem pagos ou sequer foram pagos. Mas quando acabaram a estátua, os tugas pegaram nela e disseram que foram eles que a fizeram e chamaram-na “Esforço da Raça”. Porém, não era o esforço da raça guineense, não, mas esforço da raça tuga, como se tivessem sido eles que derramaram ali suor e sangue. 

O tio Paulo Bano disse que os tugas têm orgulho e vaidade nesses símbolos de poder, de violência e de opressão, e que não toleram quem não os respeite. Os tugas chegaram à Guiné, destruíram todos os símbolos das pessoas, dizendo que eram maus símbolos, e colocaram os símbolos deles. Contou-me, por exemplo, que os tugas obrigavam toda a gente na Guiné a aprender uma cantiga, para  mostrar a sua importância e grandeza, até o próprio mar era nada perante um tuga. O tio Paulo sabia a cantiga de cor e dizia assim:

“Herói do nada, pobre povo,

são, lazarento e imoral.

Caramba!, caramba!,

sobra a guerra, sobra o mal.

Caramba!, caramba!,

Há carrapata no ar,

coçar os colhões,

murchar, murchar!”

 

 

Mas o tuga não vê qualquer sinal de violência nesta cantiga, para ele é simplesmente uma cantiga sagrada e que não deve ser conspurcada, pois o tuga é aquele que dá “novos mundos ao mundo”, como se o velho mundo do mundo fosse uma coisa má.

O tuga adora símbolos, mas só os seus, os dos outros são afrontas, são para serem substituídos pois não têm valor e não refletem a importância de quem os tem (se não forem americanos, é claro. – E falando em tugas americanos, eles mataram há uns dias um gajo chamado Jorge Freud, e parece que os tugas de cá não gostaram nada, mas vou falar disso depois). Contudo… como estava a dizer antes, o tuga adora símbolos, porque esses mostram a sua grandeza, por isso os meus colegas do trabalho disseram-me: “Já comestes pastel de Belém, caralho? Epá, não podes dizer que vivestes enquanto não comeres um pastel de Belém, representa Portugal. A receita foi dada aos três pastorinhos pela Virgem Maria em pessoa, é o mesmo pastel que ela fazia para o menino Jesus em Belém.” 

Santo António do menino Jesus me acuda!, o tio Paulo Bano não me tinha que até Deus adora os tugas. Será que é por isso que os pastéis de Belém se fazem perto de um mosteiro?

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Ut elit tellus, luctus nec ullamcorper mattis, pulvinar dapibus leo.