Website on global south and decolonial issues.

Planta baixa do corpo alto

Anatomia

Língua. (Substantivo feminino). 

1. Órgão da cavidade bucal, tipicamente alongado, achatado, musculoso e móvel, que desempenha papel de relevância nos processos de mastigação, deglutição, degustação e fonação. 2. No homem e em outros animais tem papel na articulação dos sons. 3. Sistema de comunicação oral e escrito de um país, estado ou território 4. Instrumento de maledicência ou difamação: “cuidado com a língua da vizinha” 5. Pode servir para fornicar.

 

Estima-se que a 12 de outubro de 1492, o navegador genovês Cristóvão Colombo 

chegou 

pela 

primeira 

vez 

à América. 

 

De barco, pois não se navega com a língua. 

Cristóvão Colombo é a tradução do nome da língua italiana para a língua portuguesa. 

 

Sua mãe, uma velha italiana desconhecida, provavelmente o chamava de qualquer coisa como Cristóforo na língua materna. Sem que pensar que não podia piorar, Colombo foi viver na Espanha, e passou a vida a receber ordens dos reis católicos espanhóis que o chamavam Cristóbal

 

Atenção: Dizer este nome em voz alta. Não sorrir. 

 

Ninguém entende muito bem até hoje como 

Cristóforo 

foi parar na América quando procurava a Índia.

 

Tempo fácil para o sucesso dos estúpidos. 

[ora que sensação familiar]

 

Talvez por isto tenham decidido, em seu lugar, homenagear o Américo Vespúcio, um outro navegador italiano que posteriormente chegou onde era suposto. 

 

Ao pisar na terra [desconhecida], que por acaso fica na direção contrária da qual ele desejava ir, chamou os habitantes de 

 

índios. 

 

O que interessa é que não se sabe se Cristovão disse mesmo: os índios, así con la tonada esta que solo tienen los que hablam muy bien el portugués 

(Tudo não passa de especulação)

 

um italiano 

de Gênova 

que vivia em Espanha

 

[…] mas que rezam as línguas vipirinas, podia ser um judeu convertido em fuga e, por isso, esforçara-se para esconder sua origem. 

[ora que sensação familiar].

 

Sabe-se que a estrutura da língua que falava era portuguesa

e afirmam que escrevia um português castelhanizado 

ou um espanhol aportuguesado. 

 

Los indios? Gli indiani? El indis? 

Não sabemos. Nunca saberemos. 

 

Mas sabemos que ninguém que estava neste barco falava nenhuma das centenas de opções de línguas nativas dos povos que por acaso moravam nesse território. 

 

Nem Quixua, nem Tupi, Aimará, Kwazá, Aparaí, Carajá, Galibi, Guarani, Macu, Nheengatu, Terena, Tucano, Ye’kuana.

 

O quiprocó ocorreu porque os índios, aqueles aos quais esperava-se que falassem hindi (tivesse o Cristovão ido pra o lado certo), não falavam o português, ou o espanhol, ou o italiano, ou o português castelhanizado, ou o espanhol italianizado, ou o italiano espanholizado que talvez falasse o Cristoforo; 

 

o tal italiano de Gênova, que devia ser judeu e tentava ir pra índia mas foi parar nas Antilhas a mando dos espanhóis.

 

Critóbal não tinha muito senso de direção

     [coitado]

mas tinha a língua afiada. E era bom em lançar tendências. 

Mais de 500 anos depois, nativos das Américas 

ainda precisam lidar com essa desgraça. 

 

morder a língua. 1. abster-se de dizer (algo que se ia pronunciar ou que se tem vontade de dizer) 2. arrepender-se de ter dito (algo que se provou ser despropositado, inconveniente, injusto)

 

O estrangeiro foi enterrado em Sevilha onde, ainda hoje, espanhóis gozam com seu pau.

obra de Joana Choumaliobra de Joana Choumali

 

Perna. 1. segmento de cada um dos membros inferiores do corpo humano compreendido entre o joelho e o tornozelo, cujo esqueleto é constituído pelos ossos chamados tíbia e perónio 2. cada um dos membros inferiores do corpo humano 3. cada um dos órgãos de locomoção de vários animais (mamíferos, aves, insetos)

 

Entre 27A.C e 395 D.C mamíferos Romanos saíram de Roma usando pernas para realizar extensas possessões territoriais em volta do mar Mediterrâneo

 

Europa

África

Ásia

 

Humanos escandinavos também usaram pernas e saíram da Escandinávia porque lá fazia muito frio para plantar.

 

Burgúndios

Francos

Suevos

Vândalos

Anglos

Saxões

 

Foram chamados de Bárbaros, mas quem não entende quem foge do frio?

 

No século VIII, humanos muçulmanos entraram na Península Ibérica com suas pernas. Tárique achou estreito o estreito. Mantiveram as pernas fincadas por quase mil anos.

 

Al-Andalus

Suena precioso

 

Em 1415, animais da espécie humana portuguesa chegaram a Ceuta, em África. Usaram barcos, que flutuam, mas desceram dos barcos com as pernas e mesmo assim continuaram a flutuar. 

Até 1543, portugueses desceram com suas pernas dos seus barcos 

em muitos lugares

e flutuaram

flutuaram

flutuaram

 

Macau Timor Moçambique Goa Angola Brasil Cabo Verde Guiné São Tomé

 

Humanos também usaram pernas para fugir, muitas vezes sem sucesso. Há humanos que ainda hoje usam pernas para correr das mesmas pernas que desceram dos barcos em 1500. 

 

Pernas, quando não andam, nem invadem, nem fogem, pisam. 

[As uvas também]

e flutuam

[tal e qual outras coisas que flutuam]

 

O Fêmur é o maior, mais longo e mais volumoso osso do corpo humano. O fêmur fica na coxa, que não é perna, mas é, porque chamamos tudo abaixo do rabo de perna. 

 

Humanos são assim, generalistas. 

 

Sua extremidade superior é o local onde o membro inferior se articula com a bacia, possibilitando a movimentação do quadril.

 

Além de pernas, humanos têm quadril.

Alguns quadris são considerados mais humanos que outros.

[ela que o diga]

 

Frequentemente humanos com pernas que usam suas pernas são humanos cansados. 

Pernas podem doer. 

O nervo ciático fica na perna, mas também na bacia.

 

Para caminhar com as pernas é preciso alongar

hidratar

 

Pernas retém líquidos

drenagem linfática

Joelhos são filtros dos líquidos retidos

 

A Patela protege a articulação

Uma mãe protege seu filho

Mulheres estão aprendendo a protegerem umas às outras

Homens já se protegem há milênios

(Ainda que também se matem,

 e ainda que também matem mulheres)

 

Um soldado protege seu imperador

 

Romanos deviam ter a musculatura da perna fortalecida, diz a miologia. No filme sobre o Império Romano, o imperador Júlio César tem pernas até que bonitas. 

      a cara, nem tanto.

Filmes sobre bárbaros, que são sempre os outros que não nós mesmos, mostram como usavam as pernas para atacar os que não eram bárbaros, mas também podiam ser (eventualmente)

 

A depender. 

 

Algumas pernas de alguns animais são chamadas de patas

Animais humanos tem as patas chamadas de pernas

Ao chamar patas humanas, que se chamam pernas, de patas, compara-se animais humanos a animais com patas.

Alguns animais não-humanos tem suas patas chamadas de pernas, mas não sabemos se sentem-se ofendidos

[deveriam]

Há animais com mais que duas pernas

Há animais com múltiplas pernas

Humanos tem duas pernas

As pernas humanas superiores são chamadas de braços

 

Cobras, por exemplo, não têm pernas

Cobras com pernas podem ser espécies de lagartos

Ou espécies de humanos

 

Cobras rastejam sem pernas

Lagartos rastejam com pernas

Humanos rastejam 

com 

que 

têm

 

Nas pernas também constam veias

Humanos com pernas tem nervos

E vazos, átrios, artérias. 

 

São parte do sistema circulatório

 

O sistema circulatório é responsável pelo transporte de sangue, oxigênio e nutrientes para todo o corpo humano. É formado pelo coração e pelos vasos. O sangue que passeia pelas pernas pra cima e pra baixo é o mesmo que atinge e bombeia o coração. 

 

O importante mesmo é não se atrever a mudar a direção do fluxo sanguíneo

 

Nota: Lembrar de marcar consulta com um cirurgião vascular. 

obra de Joana Choumaliobra de Joana Choumali

 

Braços. (substantivo masculino). 

1. membro superior do corpo humano situado entre a articulação do ombro e a do cotovelo 2. tentáculo, apêndice ou prolongamento do corpo de certos animais 3. ramificação de um rio ou de um mar

 

Braços é como são chamadas as pernas superiores dos humanos 

O cotovelo é o nome que se dá a articulação que suporta o antebraço

[cotovelo também é como se chama a articulação que suporta o coração]

 

Antebraço é uma subárea do braço que sustenta a mão, corresponde a metade inferior do membro

 

Em mil quatrocentos e qualquer coisa, ao desembarcarem de seus barcos usando suas pernas em território americano, humanos usaram seus braços para carregar até os barcos coisas que não eram suas, depois usaram seus barcos para levá-las embora.

 

Fizeram este movimento de braços e barcos por séculos

Acredita-se que os braços humanos podem ter processado um esticamento

por excesso de uso

 

Usa-se braços para fazer o sinal da cruz

O sinal da cruz cristã é um movimento considerado sagrado para alguns humanos cujos braços se movimentam em direções e ordens pré-estabelecidas: 

 

Braço para cima

Braço para baixo

Braço para esquerda

Braço para direita

 

A mão com seus cinco dedos toca suavemente ao trecho de pele indicado

Curiosamente cada uma das metades da parte menor da cruz também é chamada de (…) 

braço

 

Padre António Vieira foi um jesuíta

Jesuítas eram padres cuja função era ensinar compulsoriamente este movimento sagrado para alguns humanos 

 

[mas sem relevância alguma para outros]

 

Humanos negros de origem africana tiveram seus braços amarrados 

a um tronco 

de madeira. Muitos recusavam-se a usar os braços para cima para baixo para esquerda para direita

 

Cristo também teve os braços amarrados a um tronco de madeira. 

Em forma de cruz

com quatro braços.

 

Por sua vez, humanos de origem africana também 

foram obrigados 

a usar braços 

para o trabalho 

que eles 

não

queriam

fazer

e

produzir as riquezas

que nunca 

teriam

 

Eventualmente, indígenas de centenas de etnias faziam pinturas nos braços

Indígenas também atiravam setas com os braços em quem bem merecia

 

Indígenas não abriram os braços

saíram no braço

 

Para ocupar territórios adentro, humanos portugueses usaram braços dos rios

 

O cristo redentor tem os braços abertos

(este deus europeu tem um humor peculiar)

 

O abraço tem esse nome por tratar-se de um movimento onde duas ou mais pessoas envolvem os braços no corpo da outra. Abraços não são comuns entre humanos cujas cores dos braços são distintas. 

 

Humanos cuja cor do braço é clara evita abraços em humanos cuja cor do braço é escura

Por sua vez, humanos cuja cor do braço é escura 

deveria mesmo usar melhor seus braços

 

Cobras não têm braços

sorte delas

 

aquele abraço

 

Cobras com braços podem ser espécies de lagartos

Ou espécies de humanos

azar deles

 

Na Índia, que fica do lado oposto às Américas, onde o Cristobal não chegou pra roubar especiarias preciosas, deuses indianos [que não são Cristo], costumam ser representados com vários braços. 

 

Trata-se de uma indicação quanto a multiplicidade deste Deus

                                                            cada braço uma potência

 

Ganesha, por exemplo, aquele Deus dos obstáculos com cabeça de elefante que gostam de tatuar nas costas os jovens místicos, é representado com quatro braços. Talvez por ter quatro virtudes. 

Shiva, Deus da destruição

[anda tendo muito job ultimamente]

(…)  tem nos braços a representação das batalhas contra forças cósmicas. 

Possui quatro braços

dois pousados sobre as pernas

um segurando um tridente

o último segurando um tambor em forma de ampulheta 

(representa o ritmo da vida determinado por sua música)

         É Shiva quem dita o ritmo da vida

 

Shiva é engraçado, destrói o mundo

como quem brinca

ou por capricho

[tão sádico pra ser tão amado]

 

Brahma é trouxa, vai lá e reconstrói

Dizem que é o ciclo do universo, mas (…)

   parece lego

Shiva destrói, Brahma reconstrói

Soa familiar

 

Parvati é esposa de Shiva, coitada. 

Quando acompanhada de seu marido, a Deusa é representada apenas com dois braços

Quando sozinha, geralmente é representada com quatro ou oito braços. 

Cavalga um leão e caça demônios. 

 

[Quem já viu esse filme?]

 

A parte interna do braço, onde o membro se liga ao tronco, chama-se axila

     axilas podem feder 

umas mais que outras 

Cruzar os braços: ficar ocioso ou indiferente

Adão cruzou os braços

(Adões costumam cruzar braços)

Eva esticou os braços para alcançar a maçã

(Evas estão sempre aí tentando alcançar as maçãs

mas algumas estão inalcançáveis demais)

 

Braço também pode designar extensão

A América Latina

por exemplo

não é um braço 

da Europa.

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Ut elit tellus, luctus nec ullamcorper mattis, pulvinar dapibus leo.