Website on global south and decolonial issues.

A propósito de “Radio Muezzin”, reflexão sobre o som das cidades

No recente alkantara festival, Stefan Kaegi apresentou “Radio Muezzin”: 

 “A cidade do Cairo tem cerca de 30.000 mesquitas. Em cada uma delas, cinco vezes por dia, um muezim chama os fiéis para a oração. Segundo a tradição, o muezim subia e descia as escadas do minarete, até que, nos anos cinquenta, chegam os megafones e microfones para alívio das suas pernas cansadas. O resultado, porém, permaneceu o mesmo: uma cacofonia de diferentes culturas de oração, de diferentes vozes, tempos, interpretações. Contudo, as coisas estão prestes a mudar: o Ministério dos Assuntos Religiosos quer introduzir um sistema de rádio fechado que transmitirá a voz de um único muezim ao vivo e em simultâneo para todas as mesquitas de Estado.”

Em “Radio Muezzin”, quatro muezins do Cairo entram em palco para nos contar as suas histórias e experiências. Entre as suas palavras e as imagens de vídeo do seu quotidiano, emergem novas vozes, que descrevem a transformação do chamamento para a oração, na era da reprodução técnica.”

Ficámos a pensar na diferente percepção que passaremos a ter da cidade do Cairo, depois da alteração relatada no “Radio Muezzin”. Um dos elementos mais fascinantes nas cidades  é “som” quando provocado por grupos de pessoas em actividade. Alguns sons vão ficando associados à nossa memória das cidades, como o dos candongueiros que partem da Mutamba em Luanda a bater na chapa e a chamar: Aeroporto! Aeroporto!, ou a “pressão” dos vendedores, guineenses, gambianos, conakris, senegaleses, do mercado do Bandim em Bissau. A cor desses sons faz a cor de cada uma das cidades.

Não podemos deixar de pensar também  na proibição da construção de minaretes aprovada por refendo, recentemente, na Suíça. Nesse país existem actualmente, 160 mesquitas ou espaços de oração, para cerca de 350 mil muçulmanos, mas só em duas existem minaretes. De qualquer forma não estava em causa o som provocado pelas cinco chamadas diárias à oração, o que motivou o referendo foi o preconceito, a intolerância e o medo. O silêncio cai  sobre as cidades suíças e todos os nossos sentidos devem ficar de alerta.

As regras que se adoptam em cada cidade, que nalguns casos provocam ou são provocadas pela transformação que nelas ocorre, têm muitas vezes repercussões, perdas e ganhos, para além dos seu limites físicos.  É de tudo isto que “Radio Muezzin” nos veio falar.

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Ut elit tellus, luctus nec ullamcorper mattis, pulvinar dapibus leo.