Website on global south and decolonial issues.

Ciclo 1961: o ano de todos os perigos. filme e conferência, Lisboa

O ano de 1961 foi, para o regime salazarista, o ano de todos os perigos, vindo a revelar-se como o annus horribilis do ditador. Em distintos contextos, múltiplos acontecimentos marcariam esse ano, prenúncio do final do regime colonial-fascista português. Porque uma das linhas de orientação temática do CES aposta no aprofundar do conhecimento sobre o espaço de expressão portuguesa – e sobre as suas ligações históricas – este conjunto de sessões procura reflectir sobre um espaço unido por várias histórias e lutas.

 

Em 2011 passam 50 anos sobre esse ano de todos os perigos. Boa ocasião para recordar factos muitas vezes esquecidos, ouvindo os seus protagonistas, enquadrando-os na história comum que une Portugal e os países em que se transformaram – ou se integraram – as suas possessões coloniais.

18 de Março de 2011, 15h00, Picoas Plaza, R. do VIriato 13 Lj 117/118, CES-LIsboa

Programa. Conferencistas: Fidel Reis, Historiador e Adolfo Maria, Comentador residente do programa Debate Africano, na RDP-África

Projecção do filme: “Deixem-me ao menos subir às palmeiras”, de Joaquim Lopes Barbosa(1972)

Fidel Raul Carmo Reis – Historiador, é docente na Universidade Agostinho Neto, na Faculdade de Ciência Social, tendo vindo a trabalhar desde há vários anos a história contemporânea de Angola, incidindo sobre o nacionalismo angolano e a questão colonial portuguesa.

Adolfo Maria – Inicou a actividade política em 1957, na Sociedade Cultural de Angola. No ano seguinte participou na campanha eleitoral de Humberto Delgado. Membro do Partido Comunista Angolano, é preso pela PIDE em 1959. Parte para o exílio em 1962. Milita na Frente de Unidade Angolana. Em Argel, em 1964, é um dos organizadores do Centro de Estudos Angolanos. Transferido para Brazaville em 1969, dirige a Rádio Angola Combatente. Quadro destacado do MPLA, adere à fracção Revolta Activa. Em 1987, com Mário Pinto de Andrade e Gentil Viana, forma o Grupo de Reflexão sobre Angola, que defende a necessidade urgente de paz. Comentador residente do programa Debate Africano, na RDP-África.

Sinopse do filme

Numa grande fazenda em Moçambique, um capataz negro, agente e lacaio do colonizador, submete os nativos a penosas e infidáveis horas de trabalhos forçados, no cultivo das machambas, que muitas vezes só terminam com o desfalecimento dos mais fracos.

Certo dia, o capataz viola Maria, a filha de Madala, trabalhador ancião, tendo de enfrentar a fúria dos camaradas, que incitam o velho à revolta. Mas, Madala mostra-se incapaz, após anos de exploração, e aceita a ultrajante oferta duma garrafa de vinho do seu ofensor, acabando por sucumbir ao desgosto.Filme produzido em Moçambique e baseado no conto “Dina”, incluído na obra “Nós Matamos o Cão Tinhoso” de Luís Bernardo Honwana.

Primeiro filme rodado no Ultramar por ultramarinos, “Deixe-me Subir ao Menos às Palmeiras” é considerada uma obra de ficção exemplar sobre o colonialisno, numa perspectiva crítica e alegórica. Falado em ronga e inglês, com legendas em português.Foi proibido pela Censura. A sua ante-estreia, no Cineclube do Porto, data de 1975, após a queda da ditadura.

Organização: Maria Paula Meneses e Diana Andringa.

Evento associado ao Núcleo de Estudos sobre Democracia, Cidadania e Direito. Ciclo no âmbito de “2011 – Ano Internacional dos Afro-Descendentes”. Mias informações: ceslx@ces.uc.pt 

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Ut elit tellus, luctus nec ullamcorper mattis, pulvinar dapibus leo.