Website on global south and decolonial issues.

Ditos e reditos – provérbios dos países de língua portuguesa

Vezes há em que o provérbio comporta uma sentença enigmática, apresentando-se como uma palavra que vale por outra, numa forma indireta de dizer algo. Em regra, contudo, é uma frase imperativa, direta, funcionando como um eufemismo, podendo ajudar as pessoas a administrar conflitos e evitando reacções adversas.

Por outro lado, embora se possa pensar que são pertença do indivíduo, os provérbios são oriundos da sociedade. Assim sendo, quando um provérbio é utilizado de forma adequada, o discurso passa a ser irrefutável por constituir uma verdade que, apesar de anónima, se encontra consagrada.

Em geral metafóricos, sendo enunciados do mundo vegetal e/ou do mundo animal, e, alguns deles agregando num único os dois mundos, é aos humanos que se aplicam.

Tendo por base uma breve seleção para o conjunto dos países lusófonos (apresentados pela respectiva ordem alfabética) feita, principalmente, no livro de minha autoria Ditos e reditos: provérbios da lusofonia, visa mostrar que houve como que uma fusão de conceitos que engendrou, nas diversas línguas, formas só na aparência diferentes, de formular o mesmo enunciado. Um conjunto proverbial que é do domínio da lusofilia, não numa postura euro centrada antes na esteira do ensaísta Eduardo Lourenço porque “a língua também é nossa”, ou, dito de outro modo, e parafraseando o escritor angolano Ondjaki, “bonitas são as línguas depois de manejadas pelas pessoas”. Vale notar ainda, a existência de variações regionais da língua portuguesa, em especial no Brasil, quer se trate do léxico quer da pronúncia.

Caminhemos agora de mãos dadas com a Língua e a História:

O mimo leva sempre à indulgência e à permissividade, pelo contrário o amor, por querer bem a quem se ama, pode exigir que se castigue e, nem por isso fica diminuído.

Acresce que a ciência aprendida em criança fica melhor consolidada. Radicando em várias passagens dos provérbios salomónicos surgem em: Angola: O pau endireita-se enquanto é pequenino; Brasil: Cipó novo é que se torce; Cabo Verde: De pequenino se torce o pepino; Moçambique: Endireita-se a árvore enquanto é pequena; Portugal: De pequenino se torce o viminho.

A perseverança e a tenacidade permitem realizar mesmo o que parece impossível, já desde a Idade Média: Brasil: Pequeno machado derriba grande árvore; Cabo Verde: A machadinha corta a figueira; Portugal: Pequeno machado derruba grande carvalho. E, da mesma época, Brasil: Hóspede e peixe com três dias fede; Portugal: Hóspede e pescada, em três dias enfada.

Desde meados do século XVI, se diz que os filhos herdam as qualidades ou os defeitos de seus pais, bastando conhecer uns para identificar os outros: Brasil: Filho de peixe peixinho é; Filho de peixe vem nadando; Cabo Verde: O filho da cabra salta na rocha; O filho do gato caça ratos; Guiné-Bissau: Filho de gato arranha; Portugal: Cão de caça vem de raça; De tal árvore, tal fruto.

A inveja (palavra derradeira dos Lusíadas, o poema épico de Luís de Camões), uma das características da espécie humana, é matéria abundantemente inspiradora da produção proverbial. Já em 1585, a realidade mais sedutora era sempre a alheia: Brasil: A cabra da vizinha dá mais leite do que a minha; Portugal: A galinha da minha vizinha é mais gorda que a minha; O peixe que foge do anzol parece sempre maior.

Uma exposição irresponsável e excessiva ao perigo leva a danos, por vezes, irreversíveis donde, por meados de Quinhentos, ter sido fixado: Brasil: Tanto vai o pote à bica que, um dia, lá se fica; Portugal: Tanto anda a linhaça até que vai a cabaça; Tanto pica a pega na raiz do trovisco que quebra o bico.

Mentir ou dissimular são duas faces da mesma moeda todavia, ambas por completo desaconselhadas, até porque a verdade acaba sempre por se descobrir, como ensina o provérbio fixado nos alvores do século XVII: Brasil: A verdade é como o azeite: vem à tona; Portugal: A verdade e o azeite vêm sempre ao de cima; Timor-Leste: Palavras coadas pelas ondas / são coadas também pelo beiral; / as ondas e o beiral / coam devagarinho.

Poder-se-ia continuar num caminhar quase sem fim, uma vez que quando se julga já estarem esgotados os provérbios em qualquer língua, para determinada situação, logo surgirá um, até então desconhecido, a provar serem uma fonte inesgotável e perpétua, conforme teremos ocasião de mostrar nas futuras andanças por estes domínios.

 

Elisa Maria Lopes da Costa, historiadora portuguesa, é colaboradora do Instituto de Estudos de Literatura Tradicional, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa.

 

da revista PESSOA

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Ut elit tellus, luctus nec ullamcorper mattis, pulvinar dapibus leo.