Website on global south and decolonial issues.

“Ecologia sem natureza” com Suely Rolnik, Renato Sztutman e Paulo Tavares

INTRODUÇÃO
Retrato Geo-referenciado
Rita Natálio 
PALESTRAS
“Reativar a magia, retomar a terra – Ou como resistir no Antropoceno”
 Renato Sztutman
Guiando-me pelas reflexões de Isabelle Stengers em torno do termo “reclaim”, discuto possibilidades de resistir ao chamado Antropoceno (ou Capitaloceno, Chutuluceno, entre outros nomes), buscando conexões entre lutas indígenas e não indígenas, que combinam Terra e Magia.
“Exceção/Extinção”Paulo Tavares
De como a violência política manifesta-se na forma de destruição ambiental; de como a destruição ambiental converte-se em arma de violência política. 
“O estupro do Vivo – Matriz do inconsciente colonial-capitalistístico” Suely Rolnik
A matriz micropolítica do regime colonial-capitalístico é o abuso das forças vitais da natureza. Em seu elemento humano, tal abuso atinge hoje a pulsão vital em sua própria nascente. Face a esse estado de coisas, é preciso resistir micropoliticamente: desarmar o inconsciente estruturado no abuso, desertando assim as formações no campo social que dele decorrem.
BIOGRAFIAS
Rita Natálio é artista e pesquisadora e vive entre Lisboa e São Paulo. Publicou o seu primeiro livro de poesia “Artesanato” pela “(não) edições” em 2015, entretanto nomeado para o Prémio Novos 2016 em Portugal. Atualmente, prepara um novo livro com selo da mesma editora, em paralelo ao projeto “Antropocenas” com o coreógrafo João dos Santos Martins e ainda um projeto de criação de um audio guide para o Museu da Imigração de São Paulo a convite do Geothe Institut São Paulo, MitSp (São Paulo) e SpielArt Festival de Munique.
Renato Sztutman é professor do Departamento de Antropologia da USP. Publicou, entre outras coisas, O profeta e o principal: a ação política ameríndia e seus personagens (Edusp/Fapesp, 2012). É pesquisador do Centro de Estudos Ameríndios (CEstA) e do Laboratório de Imagem e Som em Antropologia (LISA). Foi um dos fundadores e co-editou, entre 1997 e 2007, a revista Sexta-Feira. Suas áreas de atuação são etnologia e história indígena (com foco no problema das cosmopolíticas ameríndias), teoria antropológica e antropologia & cinema.
Paulo Tavares é arquiteto e urbanista. Seus projetos, textos e apresentações foram publicados e exibidos em diferentes lugares e contextos, mais recentemente na Bienal de Design de Istanbul e na Bienal de Sharjah. Atualmente é professor da Universidade de Brasília, e antes lecionou no Centro de Pesquisa em Arquitetura – Goldsmiths e na Pontifícia Universidade Católica do Equador. Em 2017 Tavares criou a agência Autonoma, uma plataforma dedicada a explorar novas formas de pensar e produzir o território. www.autonoma.xyz
Suely Rolnik Psicanalista, escritora, curadora, professora titular da PUC-SP (onde fundou o Núcleo de Estudos da Subjetividade no Pós-Graduação de Psicologia Clínica) e professora convidada do Programa de mestrado do Museu de Arte Contemporanea de Barcelona. Autora dos livros “A hora da Micropolítica” (SP: N-1, 2016), “Anthropophagie Zombie” (Paris: Black Jack, 2012), Archivmanie (dOCUMENTA 13, 2011); “Cartografia Sentimental” (Porto Alegre: Sulinas, 1989) e co-autora com Félix Guattari de Micropolítica. “Cartografias do desejo” (Petrópolis: Vozes, 1986), publicado em 8 países. Concebeu e realizou o Arquivo para uma Obra-Acontecimento. Projeto de ativação da memória do corpodas proposições artísticas de Lygia Clark e seu contexto (65 filmes de entrevistas) e foi curadora da exposição Somos o molde. A você cabe o sopro. Lygia Clark, do objeto ao acontecimento (Musée de Beaux-arts de Nantes, 2005, e Pinacoteca do Estado de São Paulo, 2006).

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Ut elit tellus, luctus nec ullamcorper mattis, pulvinar dapibus leo.