Website on global south and decolonial issues.

IV encontro internacional de história de Angola

Luanda, 28 de Setembro a 1 de Outubro de 2010
Tema Geral: Memória e História: A Construção das Identidades

Painel 3:
O Atlântico e as novas identidades

Comunicação:
“Escravos angolanos no Paraguai: uma trágica residualidade identitária”

Resumo:
Resultado da impetuosa política de ocupação e colonização de territórios no Novo Mundo, empreendida pela Coroa espanhola, os conquistadores ocuparam, a meados do século XVI, o Alto Rio de la Plata. E tendo em conta os constrangimentos de fomento dessas terras, introduziu-se, aí, directamente através o rio prateado ou pelo incontrolável Mato Grosso brasileiro, uma mão-de-obra de origem melano-africana, principalmente, congo, ngola, mundongo e banguela.
A escolha desta proveniência foi facilitada pela expansão e consolidação da Colónia de Angola e a sua gémea, rio – platense, a do Sacramento, mas igualmente, pela reunificação das Coroas ibéricas, entre 1580 e 1640.
Inseridas numa sociedade dominada, demograficamente, pelos guaranis, e politicamente pelos castelhanos, os “cambas” e pardos serão, invariavelmente, minoritários, aí; oscilando, até à primeira metade do século XIX, entre 15 a 20 por cento.
Vítimas, por excelência, de surtos epidémicos da segunda metade do século XIX, e carne para canhão de vários conflitos regionais, sobretudo da desastrosa Guerra contra a Triple Aliança, entre 1864 e 1870, e activos participantes na multi-direccional mestiçagem ocorrida no país, que viu, por outro lado, parar a importação de nigers com a abolição do tráfico transatlântico de peças de Índias, os melanodermes “amparos” ou escravizados passarão de 10por cento, no início do século XX, a 3,5 por cento, cinquenta anos depois.
Nesta evolução histórica, particularmente pesada, os bailarinos da zemba ou da curimba, e tocadores da marimba guerilla ou da marimba galopa deixaram marcas linguísticas e antropológicas, de origem bantu, francamente marginais na cultura nacional deste país da América do sul.
Envolvidos numa irreversível dinâmica de interacções civilizacionais, os instrumentistas da “gamba” apresentam, hoje, uma nova estampilhagem identitária, dominada pela cultura castelhana e as influentes expressões guarani.

Por Simão SOUINDOULA I Vice-Presidente Comité Cientifico Internacional 

Projecto da UNESCO “A Rota do Escravo”
Luanda

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Ut elit tellus, luctus nec ullamcorper mattis, pulvinar dapibus leo.