Website on global south and decolonial issues.

Mário Macilau finalista do prémio BES Photo 2011

“De alguma forma sirvo como embaixador de Moçambique, levo imagens do meu país para fora”, reivindica o jovem fotógrafo

Até dia 13 de Junho, o trabalho do fotógrafo moçambicano Mário Macilau estará patente no Museu Colecção Berardo, em Lisboa, no Centro Cultural de Belém. Macilau ficou entre os cinco finalistas de uma das mais relevantes mostras de arte contemporânea em Portugal.

O prémio, no valor de 40.000 euros, foi nesta edição atribuído à fotógrafa portuguesa Manuela Marques.

A nomeação como finalista para este prémio foi uma grande felicidade “Mas o que interessa agora é o que está para a frente”, adianta Macilau, que na próxima semana já estará do outro lado do mundo, em Pequim, no âmbito da exposição “Africa: See You, See Me!” De resto, o jovem fotógrafo de 27 anos, que vive no bairro de Polana Caniço, em Maputo, passará pouco tempo em Moçambique este ano. tem neste momento já uma série de compromissos agendados um pouco por todo o lado (ver caixa).

Mário Macilau apresenta duas séries de fotografias integradas na exposição BES Photo 2011. O fotógrafo falou-nos desses dois trabalhos: Os maziones, feito em Maputo sobre esta comunidade religiosa, e Wood Work, que retrata um bairro pobre dos subúrbios de Lagos, capital da Nigéria, onde devido ao elevado preço dos terrenos, a população teve que construir casas de madeira, assentes sobre estacas em águas poluídas. “Eu uso a fotografia para contar histórias contemporâneas, que embora estejam perto de nós não são muito conhecidas, mas são histórias que têm vida, que têm muita riqueza que se encontra quando observadas de perto”, explica Macilau em entrevista para “O País”, numa conversa com vista para o rio Tejo, no jardim do Centro Cultural de Belém, onde tem o seu trabalho em exposição.

Esta é a sétima edição deste prémio que, pela primeira vez, foi aberta a artistas de toda a lusofonia. Para além do moçambicano, e de Manuela Marques, os restantes finalistas com obras nesta mostra fotográfica são Kiluanji Kia Henda, de Angola, Carlos Lobo, de Portugal, e o brasileiro Mauro Restiffe.

Só um trabalho consistente e de grande qualidade pode colher um reconhecimento internacional tão forte, e Macilau não completou ainda 30 anos de idade. Já expôs no Canadá, na Malásia, Nigéria, Senegal, Bélgica e em outros países africanos e europeus, mas esta grande visibilidade em importantes centros artísticos do circuito internacional nem sempre significa dinheiro no bolso. 

Macilau considera que se houvesse maior apoio às artes em Moçambique, surgiriam mais criadores artísticos.

“Hoje em dia há muitas oportunidades para expor fora ou para participar em workshops, mas há eventos dessa natureza que não têm fundos para pagar as passagens aos artistas” e acrescenta que “há muitos projectos que se tenta fazer e no final não dão certo por falta de apoios”. Frequentemente, ele próprio tem que investir em impressões de fotografias e nos portes de correio para fazer chegar a sua candidatura a prémios, mostras ou pedidos de bolsas artísticas.

A força de Macilau, que seguiu a sua paixão e explora o dom que acredita ter, contrariou o futuro que se supõe estar destinado a um garoto dos subúrbios de Maputo e, hoje em dia, leva imagens do seu país a prestigiados eventos da arte contemporânea internacional. Ele continuará a surpreender-nos: “Melhorar a qualidade do meu trabalho é sempre o meu objectivo, com exposições ou sem exposições, com dinheiro ou sem dinheiro”.

 

Nuno Milagre, jornal moçambicano O País 

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Ut elit tellus, luctus nec ullamcorper mattis, pulvinar dapibus leo.