Website on global south and decolonial issues.

“Meu avô africano”, de Carmen Lucia Campos | Ilustrações de Laurent Cardon

No dia da consciência negra, saiba mais sobre a cultura africana

O garoto Vítor Iori descobre que a vinda dos africanos para o Brasil foi bem diferente da dos imigrantes europeus. Ele aprende com seu avô Zinho a história de seus antepassados, como era a vida no período da escravidão, a origem de seu próprio nome e descobre a importância de preservar as raízes de seu povo. Com a ajuda de sua tia e de seu avô, Vítor apresentará na escola um trabalho que será uma verdadeira aula sobre a riqueza da cultura africana.

A coleção Imigrantes do Brasil propõe uma introdução à cultura do imigrante. O objetivo é que os leitores conheçam outros hábitos e costumes e identifiquem as influências culturais deste Brasil tão heterogêneo. Neste volume, o leitor vai descobrir os vários laços que unem a cultura africana com a brasileira, como a música, a comida e a dança, os esportes em que os africanos se tornaram campeões, e, principalmente, a maneira como eles chegaram ao país, escravizados pelos europeus. Ao final do livro há uma seção informativa com fotos e dados da cultura africana.

 

Carmen Lucia Campos nasceu em São Paulo e não conheceu nem seu avô materno – um neto de italianos – nem o paterno – um descendente de africanos. Quando criança fazia de conta que o avô de alguma amiguinha era também dela e aproveitava todo o amor que recebia desse parente “emprestado”. Já adulta continuou a ter muito carinho pela figura do avô e nos quase vinte livros infantojuvenis que já publicou sempre tem um que faz a alegria dos netos. Escrever Meu avô africano foi a forma que encontrou de inventar um avô legal, como ela gostaria de ter.

 

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Ut elit tellus, luctus nec ullamcorper mattis, pulvinar dapibus leo.