Website on global south and decolonial issues.

Neocolonialismo, barbárie e cultura contemporânea sobem ao palco do CCVF com ‘Tierras del Sud’ (22 fevereiro, Ciclo Poder)

No final de fevereiro e durante o mês de março, o Centro Cultural Vila Flor, em Guimarães, apresenta um ciclo de 3 espetáculos que tem como eixo temático a ideia de ‘Poder’, sob várias das suas perspetivas possíveis. A primeira parte deste ciclo – que terá continuidade no último quadrimestre do ano – inaugura já no próximo dia 22 de fevereiro com Tierras del Sud, da dupla hispano-chilena Azkona & Toloza. Trata-se de uma pertinente peça com uma forte carga documental, que lhe confere uma acutilância desarmante. A barbárie sobre os povos nativos da América Latina e as novas formas de colonialismo são alguns dos temas tratados. A primeira parte deste ciclo fica completa com A Tragédia de Júlio César (6 de março), de Luís Araújo e, finalmente, com Eins Zwei Drei (27 de março), que marca o delirante regresso de Martin Zimmermann a Guimarães.

Este ano, o Centro Cultural Vila Flor irá apresentar um ciclo de espetáculos comandado por uma das maiores formas universais de intervenção na relação com as mais diversas temáticas: o Poder. Cabe à dupla de artistas Azkona & Toloza lançar este ciclo, já no próximo dia 22 de fevereiro, às 21h30, com Tierras del Sud, uma peça que aborda a estreita relação entre as grandes fortunas estrangeiras, a barbárie sobre os povos nativos da América Latina, o desenvolvimento de novas formas de colonialismo e as várias expressões da cultura contemporânea.

 

Tierras del Sud foca-se no estreito relacionamento entre a fortuna dos empresários italianos Carlo e Luciano Benetton e a barbárie sobre o território localizado entre as províncias da Patagónia de Neuquén, Chubut e Rio Preto. Território que o povo Mapuche reconhece como ancestralmente seu. Em cena, os dois artistas transformam um palco completamente vazio num pedaço da atual Patagónia Argentina. Entre cadeias de montanhas, lagos, florestas virgens e cidades fictícias, é reescrita a história do nascimento do estado argentino, a sua relação com as grandes capitais e a barbárie estrangeira e sistemática que, durante séculos, assolou o território e os povos do sul da América Latina.

 

O que leva, ano após ano, bilionários e celebridades a investir e comprar terras na Patagónia Argentina? Qual o valor geopolítico estratégico da área? O controlo do território e dos seus recursos naturais é um dos pilares da pesquisa documental de Tierras del Sud. Mas esta é apenas uma das possíveis perspetivas deste problema, às quais podemos acrescentar a especulação imobiliária e a indústria do turismo.   

 

No passo seguinte deste ciclo em torno do ‘Poder’, o encenador Luís Araújo e a Ao Cabo Teatro levam-nos de volta aos fatídicos “idos de março” de William Shakespeare e de A Tragédia de Júlio César (6 março). Peça-problema, densa e controversa, ambientada no tempo-charneira da sangrenta metamorfose da República Romana no Império Romano, A Tragédia de Júlio César, mais do que a tragédia de um homem ou do poder, é a tragédia de Roma enquanto Cidade, palco e epítome expressivo da vida em comum dos homens. Alienada e podre, abate um tirano para apaziguar a culpa de si que não admite, e ergue uma outra, ainda mais feroz, tirania. A Tragédia de Júlio César é também a tragédia de um “tempo estranho”, cego, volátil, tenso, de ambíguos vínculos entre a vida privada e a responsabilidade pública e entre política e moral – estranheza essa que é metonímia possível e implacável do negrume que carateriza o nosso tempo.

 

Após mergulharmos na sociedade, dirigimos o nosso olhar sobre o indivíduo e a sua complexa luta pelo poder, onde poesia e violência podem caminhar lado a lado. Tudo isso estará refletido em Eins Zwei Drei (27 março), de Martin Zimmermann, que regressa a Guimarães para transpor todos os limites da comédia convencional, numa criação que se inspira no circo, uma das origens do artista suíço, para se cruzar com a dança, o teatro e a música numa elegante alquimia. Em Eins Zwei Drei (Um Dois Três), Zimmermann utiliza três personagens, arquétipos de palhaços, para abordar questões poderosas como a autoridade, a submissão e a liberdade. Três figuras arrancadas do mundo anárquico do circo sobrevivem, ou não, no ambiente estritamente controlado de um museu? Esta é a pergunta que se instala. O que se desenrola é altamente absurdo e trágico. Quanto mais controlado, mais cómico se torna o contexto. Com música tocada ao vivo por Colin Vallon, Eins Zwei Drei é interpretado magistralmente por Tarek Halaby, Dimitri Jourde e o português Romeu Runa.

 

A terra (propriedade), a sociedade e o indivíduo, enquanto temáticas, traçam perspetivas de atualização sobre o exercício de poder no contexto atual. Esta trilogia forma a primeira parte desta linha de programação do Centro Cultural Vila Flor, que terá continuidade no último quadrimestre do ano. Os bilhetes para assistir a cada um dos espetáculos têm um custo de 10 euros ou 7,50 euros com desconto, havendo a possibilidade de adquirir um bilhete conjunto para os três, no valor de 20 euros.

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Ut elit tellus, luctus nec ullamcorper mattis, pulvinar dapibus leo.