Website on global south and decolonial issues.

P-a-r-a-o-i-d-é: a poesia moderna como prática anticolonial

Museu dos Descobrimentos Portugal 2019. Poema miniatura. Papel cartão e acrílicos.Quatro objetos do livro inédito O Kit de Sobrevivência do Descobridor Português no Mundo Anticolonial.

A alma do homem português é universal

tão universal que

só ele a entende

ANTICORPO. CAP. III

1. Παρῳδία

No que respeita à organização dos géneros literários, a disposição hierárquica dos textos não está apenas ligada à qualidade literária do texto propriamente dito, mas à estrutura a que, desde do início da sua criação, ele deverá pertencer. Entre os géneros literários, que se dividem aristotelicamente em duas categorias, tragédia e comédia ou trágico e cómico, constam o poema épico, a sátira ou a paródia. Paraoidé significa, em termos literais, um canto (oidé) paralelo (para). Pode também significar um canto que se faz contra (para) ou que existe perante (para) outra coisa. Por formar-se a partir do texto original, o objeto paródico ou a reprodução do original foi considerada inferior. Assenta, além disso, na gargalhada, fenómeno que, para os Antigos, ficava atrás da seriedade de géneros como a épica.

2. A paródia é a paródia do entendimento redutor da paródia

A paródia não se livrou do rótulo por séculos. A intimidade com que se apropria do original (aqui, em sentido amplo) custou-lhe um lugar no topo da hierarquia. Ao contrário da sátira, que satiriza uma ideia ou comunidade gerais, o exercício paródico é cruelmente específico. E, por ser considerada inferior, a paródia consiste sempre numa paródia do entendimento redutor de si mesma. 

O valor do exercício paródico, uma apropriação pessoal e direta, determina-se a partir da sua competência. Para que a paródia resulte, o texto original tem de ser conhecido do(a) leitor(a), porque a paródia, além de ser um discurso duplo (cópia e negação do parodiado), é a total inversão do código estabelecido pelo original.

3. A gargalhada antinestesiante

A gargalhada suscitada pelo sistema, reguladora e purgativa, não partilha, com a gargalhada paródica, uma função caústica e ferozmente crítica. Ao contrário da primeira, a gargalhada paródica, corrosiva e desconfortável, escapa ao controlo do(a) leitor(a). Escapa, na verdade, ao controlo do(a) autor(a). 

4. ANTICORPO. A Paródia do Império Risível (2019-2020)

O ANTICORPO, um livro audiovisual, paródia do discurso colonial português, foi antecedido por outros trabalhos. Entre eles, o poema visual PORTUGAL, o poema miniatura MUSEU DOS DESCOBRIMENTOS: PORTUGAL 2019 e o livro O KIT DE SOBREVIVÊNCIA DO DESCOBRIDOR PORTUGUÊS NO MUNDO ANTICOLONIAL. A dimensão poética crescentemente interdisciplinar destes textos põe em causa a forma tradicional do poema, que não deixa de ser, ainda que pontualmente, o modelo usado pelo discurso colonial e colonizador. Por outras palavras e sob a forma de pergunta: o poema interdisciplinar paródico anticolonial amplia as dimensões do poema tradicional?

5. O corpo invisivilizado 

O ANTICORPO, negação do corpo individual (o corpo invisibilizado pela criação do império ou de um corpo coletivo) e, ao mesmo tempo, o corpo paralelo que se rebela, que existe contra, forma-se a partir da combinação do texto, do som e da imagem. O processo transdisciplinar do ANTICORPO desenvolve-se na seguinte ordem: texto, adaptação musical do texto, adaptação do texto musical à imagem, montagem.

6. A arte de ser coerentemente português

Poderíamos afirmar que o discurso colonial português, que tem muitos rostos, níveis e ferramentas, é uma paródia de si mesmo. O homem português colonial existe coerentemente dentro de Portugal, um país que, por sua vez, existe para dentro, olhando para si mesmo; mais concretamente, para o que foi. 

Parece-me, além do mais, que a seriedade do discurso do homem português colonial parte de algumas ideias centrais que mais não são do que o reflexo de um complexo de inferioridade com consequências devastadoras: o egocentrismo exacerbado, a ilusão do direito à propriedade, o controlo, e por isso, a necessidade de hierarquizar os corpos, o conhecimento e as disciplinas; a heteronormatividade ou a masculinidade tóxica, o branqueamento do mundo ou o engrandecimento ou embelezamento da violência sobre o Outro.

7. O humor empático-crítico

O ANTICORPO, um livro audiovisual desconfortável e desagradável, reúne as palavras, as imagens e os sons que não querem ser vistos nem escutados pela lógica colonial e assenta num exercício de empatia, em que a empatia e o cómico se confundem. A confusão é necessária, pois, perante o pensamento colonial anestésico, o riso faz mais do que suscitar o caos. Dá a vê-lo.

ver aqui

ou 

Texto publicado em fevereiro na página do Grupo de Investigação Impérios do Instituto de Ciências Humanas da Universidade de Lisboa.

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Ut elit tellus, luctus nec ullamcorper mattis, pulvinar dapibus leo.