Website on global south and decolonial issues.

Eleger tiranos democraticamente

Quando se ouve dizer “é a democracia!” relativamente à vitória do Bolsonaro, importa relembrar que não existe nenhuma contradição lógica em dizer-se que um candidato fascista foi eleito democraticamente. Já aconteceu no passado. Se uma pessoa fala em exilar a oposição, matar os 30 mil que a ditadura não matou e em bater em homossexuais na rua, estamos a falar de alguém que é, no mínimo, um tirano. Isto não é um insulto, é uma designação política.

Quanto à confusão que gera a possibilidade de um povo eleger um tirano, não é nada de estranho, inesperado ou inusitado. Já Platão previa a possibilidade de a democracia resultar em tirania através de eleições. Aliás, na verdade, o filósofo achava que era inevitável, mas até eu discordo do Platão de vez em quando.

Isto também não quer dizer que cada um dos brasileiros que votaram no Bolsonaro sejam tiranos e fascistas. Se isso é o que retiram desta crítica, então não a perceberam. Acredito plenamente que algumas das pessoas que votaram Bolsonaro sejam uns amores e muito bem intencionadas. Mas de boas intenções está o inferno cheio.

Resta lembrar, mais uma vez, que fascistas não são os corcundas com dentes afiados dos primeiros números do Capitão América. Surgem em todos os tamanhos, formas e cores. Ignorantes e intelectuais, ricos e pobres, ateus, cristãos e pagãos homens e mulheres. Podem perfeitamente ser pessoas doces e simpáticas, excelentes pais, mães dedicadas, mulheres independentes. Mais grave ainda, poderão ser pessoas com críticas relevantes ao sistema democrático e que seduzem precisamente porque chegam a conclusões erradas através de premissas meio certas.

É importante deixar de idealizar fascistas como demónios e perceber o que dizem e porque o dizem. Ler Schmidt, ler Evola, ler os pensadores que viram no nazismo e no fascismo o potencial de re-encantar o mundo e de resistir aos excessos filosóficos do ocidente moderno. Só aí podemos estar prontos para reconhecer os traços típicos do fascismo e para lhes resistir. E quando falo em resistir não o digo só no sentido de resistência política, digo-o também no sentido de resistir ao poder que a ideologia fascista tem nas nossas mentes e nos nossos corações. Resistir à tentação de trocar humanidade por segurança, de trocar disparidade por homogeneidade, de trocar o desencanto da modernidade pela canção das sereias fascistas. E essa luta travamo-la na nossa cabeça todos os dias. Travamo-la quando sentimos a tentação de falar em deportar brasileiros que votaram Bolsonaro ou quando sentimos a tentação de o defender simplesmente porque ganhou umas eleições democráticas. No fundo, é a luta contra a contaminação da nossa imaginação pelo fascismo. E essa luta é a mais difícil porque o discurso é virulento, e a maioria de nós sente de vez em quando o chamamento.

Himmler com a filhaHimmler com a filhaPara terminar o texto, deixo-vos com esta foto do Himmler com a filha. Esta é a foto para que eu olho sempre que me quero lembrar da banalidade do nazismo e do fascismo. É a foto para que eu olho quando me quero lembrar da doçura do mal.

 

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Ut elit tellus, luctus nec ullamcorper mattis, pulvinar dapibus leo.