Website on global south and decolonial issues.

Senhora Ontem

foto de Djaimilia Pereira de Almeidafoto de Djaimilia Pereira de Almeida

Poucas coisas nos dão uma noção tão palpável da nossa mudança como escrever. O que dissemos ontem é hoje passado, não interessa mais, não nos revela. Só interessa viver pelo que está por escrever. É espantoso como somos tão pouco tolerantes para com as versões antigas da nossa sensibilidade, como estamos prontos a virar-lhes a cara como não viraríamos à pessoa que éramos ontem.

A escritora alimenta-se do futuro como uma insolente sem respeito por ninguém, mesmo quando só se roça em memórias.

A cara dos nossos textos de ontem, a sua voz, é descabida, inepta, ridiculamente grave, esganiçada. Não importa o que se tem para dizer, aquilo que se quer tentar perceber, mas que apenas amanhã seremos justos com o que somos hoje — valentes e livres como nos sonhamos.

Por isso é tantas vezes insuportável ler em voz alta ou regressar ao que se escreveu. A voz do ano passado (da semana passada; de anteontem) é burra ou amarga — e nós tão sublimadas, resolvidas, tão perenes agora.

Não importa o que se diz sobre a busca e a descoberta de uma voz contínua e distinta. Aquele velho texto de há dois dias ressona como uma velha rouca aos nossos ouvidos jovens de amanhã. Revela-nos, como um espelho implacável, que mudamos todos os dias sem darmos conta.

A mão corre atrás do minuto presente, aquele em que coincidimos com o mundo e com o que achamos que somos. E ninguém chega nunca, nem nós que o escrevemos, a conhecer esse futuro em que, por milagre, a nossa voz condiz com o tempo das coisas. Porque o mundo muda tanto como nós, e também ninguém o agarra.

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Ut elit tellus, luctus nec ullamcorper mattis, pulvinar dapibus leo.