Website on global south and decolonial issues.

Art Melody: hip hop rural e combativo

Entrevistámos o Burkinabe Art Melody, um dos artistas de hip hop mais notáveis dos últimos anos, por ocasião do lançamento do seu novo álbum “Zoodo”.


O hip hop africano, como no resto do mundo, tira referências e imita sons da cena americana. Uma vez que é o berço do estilo e onde a sua produção está centrada, é lógico que seja este o caso. E embora o rasto do hip hop americano seja demasiado longo, há artistas do estilo que tentam seguir o seu próprio caminho e adaptá-lo ao seu próprio contexto. Art Melody, um nativo do Burkina Faso, é um caso paradigmático.
A sua carreira, que começou depois de uma viagem sem sucesso e truncada à Europa por terra como imigrante ilegal, tem como estreia “Zound Zandé”, um primeiro álbum iniciático, ainda que um pouco morno.

A sua admiração pelo hip hop dos anos 90 da Costa Leste (ver Wu Tang Clan, Nas ou Mobb Deep) ainda está demasiado presente e o álbum funciona mais como um tributo pessoal a essa cena frutífera. Mas será o Wodgog Blues, lançado em 2013 e um dos melhores álbuns do ano para esta publicação, com o qual Art Melody vai atingir o grande momento. O uso requintado da música tradicional muçulmana, do norte do seu país, como biblioteca de amostras e coros, juntamente com a mensagem vingativa e a sua voz seca e rouca, colocam-no à frente de todos os seus contemporâneos. Uma grande obra ainda não ultrapassada. Depois de um terceiro álbum “Moogho” mais árido e hardcore musicalmente falando, Art Melody apresenta “Zoodo” que retoma o caminho do “Wodgog Blues” mas acrescenta o que aprendeu ao longo do caminho.

Paralelamente aos seus álbuns individuais, Art Melody deu rédea solta ao seu lado mais colaborativo tanto com Joey le Soldat no excepcional projecto Waga 3000, como com SteveO, músico Fra Fra de Bolgatanga (Gana), com quem se juntou para produzir “Maabisi”, um maravilhoso exemplo de como a música mais tradicional pode funcionar como um catalisador para o hip hop e vice-versa.  
Falámos com o artista, baseado em Bobo Dioulasso, a segunda cidade mais populosa do Burkina Faso e um verdadeiro centro cultural, onde Art Melody é um artista … e um agricultor. 

A sua história como músico é muito invulgar, pode contar-nos como começou no mundo da música?

 Ouço música desde pequeno porque a minha mãe a usava para se expressar na vida quotidiana. Ela ainda me inspira muito. Nunca esteve em palco ou gravou um álbum, mas canta muito bem. Na minha aldeia a minha mãe também cantava para cerimónias, para desejar boas colheitas, na época das chuvas… Há muito disso em mim e na forma como construo a minha arte de falar.

Zoodo é o seu quarto álbum, o que podemos encontrar nele?

 Este é na verdade o meu quinto álbum a solo. Há um primeiro álbum – 10 faixas – que gravámos no Burkinaina em instrumentais da Redrum e Minimalkonstruction.

Neste novo álbum ZOODO, primeiro há a colaboração com o beatmaker Redrum. Nunca me canso de trabalhar com ele. Os seus instrumentais são para mim o epítome do Hip Hop. A nossa colaboração nunca irá parar. A música que ele compõe já conta uma história como uma banda sonora de um filme. São muito limpos como o som de Nova Iorque que eu adoro como Mobb Deep, Rza, Nas, Busta Rhymes. Este minimalismo pressiona-me a fazer o meu melhor e sempre inventou novas batidas com a minha voz. Adoro-o. Hoje em dia alguns rappers esqueceram este trabalho. Nunca devemos esquecer o fluxo, caso contrário é preciso guardar o microfone.
Depois há convidados como o rapper guineense Anny Kassy, o compositor escocês Will Dee e o rapper francês Ami Rouge. Os três artistas são compositores, grandes letristas e excelentes técnicos. Estou muito orgulhoso por eles poderem aparecer neste álbum.

O recente mundo do hip hop deixou para trás as letras políticas. As letras dos seus álbuns são recuperadas mas ao mesmo tempo muito realistas. Acha que o hip hop deveria ser a arma para o futuro, como proclamou Fela Kuti?

 Não sou muito bom a analisar isso, sei que Kendrick Lamar ganhou o Prémio Pulitzer! Ainda há rappers politizados e muito bons. Estas são apenas posições menos importantes dos meios de comunicação social, empresas discográficas, penso eu (para além de Kendrick!). Estou interessado nas pessoas, na vida real, na vida quotidiana. Isto é o que eu escrevo nos meus textos. No Burkina Faso, ainda há pessoas que bebem água em poças e lagos! Quando se vê isto, não se pode sentar ali e não dizer nada, tem que se fazer algo. Vou da Palavra à Escritura. Eu faço a vida diária do agricultor e do gado. Não estou a tentar ser uma estrela do rap, estou a dizer o que estou a passar e o que estou a ver. Na verdade, penso que é uma pena que nos esqueçamos de escrever boas palavras ou de fazer instrumentos e digamos que fazemos parte do Hip Hop.

 

Ainda não saiu do país, as pessoas são muito importantes para si. O Hip Hop tem sido sempre muito urbano, como é que a cultura Hip Hop se liga ao povo?

É arte agrícola! Sou um frontman do FC Campesino! Agricultor de dia / Músico de noite.

Wogdog blues foi uma lufada de ar fresco no hip hop, as amostras e a introdução de instrumentos e vocais tradicionais foram realmente impactantes. Em Moogho a produção foi muito mais crua, o que é que Zoodo traz à carreira artística da Art Melody?

ZOODO significa uma mão estendida para a outra. É uma mensagem de paz e amizade. Este álbum está em clara consonância com o Wogdog Blues. Penso que a Redrum e eu fizemos mais progressos em comparação com estes dois últimos álbuns. Trabalhámos arduamente durante dois anos com a equipa da Tentacle Records que faz os arranjos, mistura e masterização dos meus álbuns. É um álbum que se ouve em voz alta. É assim que se tem de ouvir este álbum – completamente!

©LOeil de Ken©LOeil de KenA sua música parece ser fortemente influenciada pelo hip hop americano dos anos 90. Que artistas actuais o inspiram?

Eu adoro Prodigy de Mobb Deep. Descanse em paz. Não ouço muita coisa nova nos jornais mas quando estou na Europa com o meu manager ouvimos muito Roc Marciano, Kendrick Lamar, Apollo Brown, Baloji ou Spoek Mathambo…

Pode explicar-nos o que aconteceu ao projecto Waga 3000 após o seu sucesso?

O sucesso não sei … mas adorei este projecto com Joey the Soldier e DJ Form. Sabe que a vida no Burkina é uma luta entre cada registo onde se tem de recuperar a vida do dia-a-dia. Eu também tive filhos, fiz o projecto Maabisi, Joey fez álbuns a solo com a equipa da Tentacle Records. Não calculámos o que aconteceu a seguir, apenas tentámos fazer o trabalho o melhor que pudemos… mas haverá uma sequela!

Adorámos o projecto Mabiisi, com Stevo. Em afribuku, somos um grande fã de kologo e fra-fra. Haverá uma sequela? 

É uma opção. Mantemo-nos em contacto com Stevo.

Depois do projecto Mabiisi, está a considerar fazer projectos semelhantes com outros eventos musicais tradicionais na região? 

Sim, se eu tiver a oportunidade. Estou muito ligado a toda a música tradicional da África Ocidental.  Há grandes músicos em África. As suas técnicas são incríveis e são a origem de muita música hoje em dia. 

Também tentou começar uma vida na Europa, será que esta experiência negativa favoreceu a sua criatividade para iniciar a sua carreira no hip hop?

Não comecei uma vida na Europa, mas sim, parti a caminho de chegar à Europa quando a minha situação no Burkinaina foi muito crítica. Esta viagem foi perigosa, mas eu consegui sair com vida. Quando as pessoas deixam o seu país, é uma angústia para aqueles que partem e para os que permanecem. Descrevo esta viagem em pormenor num texto de Wogdog Blues. O naufrágio e as almas que se afogam no oceano, morrem no deserto… Uma das grandes tragédias que afectam hoje a África. Mas também tenho outro texto que diz: “Concordo em ficar no país para viver e apoiar o meu país”.

Vem da cultura muçulmana, que está intimamente ligada à agricultura. Pensa que as culturas rurais podem e devem ser integradas no mundo contemporâneo com o risco de desaparecerem?

A ruralidade (e o controlo do que está no seu prato) é agora o grande desafio de todos os povos da Terra. É o futuro, se não…

As palavras de Zoodo estão muito centradas na força do povo do Burkina Faso e na sua relação com a situação actual do país. Como vive a difícil situação que o país está a atravessar neste momento após a revolução pacífica de 2014?

A primeira frase do hino nacional de Burkinabe é: “Pátria ou morte, conquistaremos”.

Pensa que os jovens do Burkina Faso estão a ligar-se à mensagem das suas palavras?

Sim. Todos os dias recebo mensagens de amizade de jovens Burkinabe que estão ansiosos por este novo álbum. Eles também vêm a concertos.

Artigo originalmente publicado por Afribuku a 31.10.2019

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Ut elit tellus, luctus nec ullamcorper mattis, pulvinar dapibus leo.