Website on global south and decolonial issues.

instituições

Sonhar acordada – prefácio de Tiago Rodrigues a “O que temos a ver com isto? O papel político das organizações culturais?” de Maria Vlachou

É aquilo a que a autora chama “cuidar do desconforto”, quando defende que as organizações culturais, sejam museus ou teatros, devem ser “o espaço para encontrar o outro” e também o lugar onde as pessoas se sintam à vontade com as nuances e a complexidade. Quando vivemos em sociedades onde cada vez mais caminhamos para um conforto solitário e mediado por um mundo digital onde podemos cancelar a alteridade, Maria Vlachou propõe uma ideia dos espaços culturais como o lugar onde podemos aprender a sentir-nos confortáveis com o desconforto. Este paradoxo poético e político é todo um programa de serviço público de Cultura que este livro esboça e que qualquer pessoa atenta às questões culturais deve descobrir.

Ler mais

Conceptualismos do Sul (RedCSul): uma trama afetiva e ativista

Reconhecemos as ambiguidades que constituem formas de curto-circuito inerentes à processos coletivos de produção de conhecimento, que antes do que retenção de informação ou presunção de campos de exclusividade temática, ensaiam formas de distribuição de energias, capacidades e responsabilidades na invenção do comum. O posicionamento crítico e na fronteira dos espaços legitimados de conhecimento não supõe uma desvalorização da erudição (popular, acadêmica, indígena, militante, etc.), porém estejamos habitadxs por condições de acesso diferenciadas à distintos regimes discursivos (como os discursos hegemônicos acadêmicos ou sobre a arte, repertórios léxicos ativistas ou vozes indígenas).

Ler mais