Website on global south and decolonial issues.

masculinidade

Introdução do livro “Funaná, raça, masculinidade”

O presente livro propõe uma etnografia e história do funaná, uma prática de música e dança que emergiu na ilha de Santiago, Cabo Verde, no período pós-escravatura de final do século XIX, ligada às práticas expressivas de tocadores de gaita (um acordeão diatónico de botões), fero (uma barra de ferro friccionada e percutida com uma faca) e cantores, assim como de audiências participativas. Ao situar esta prática expressiva numa trajetória colonial e pós-colonial o livro procura questionar de que modo a prática cultural e a raça enquanto formação discursiva se entrelaçaram em contextos coloniais, como esse entrelaçamento foi questionado na pós-colonialidade, e que legados desse processo de racialização persistem no presente.

Ler mais

O grão de areia em Estocolmo

A grande revolução do género foi e é marcada pelo objectivo de que um dia este não seja mais um problema, por isto o alvo é a dissolução da mesma quando esse momento chegar que deve ser lá para o século XXII. O dia em que ser pessoa conta mais que ser de um género ou de outro, ou mesmo transitar nesse corredor, ainda está muito longe.

Ler mais

Barbeiros, barbearias em Mindelo – Cabo Verde

Na Tanzânia dos anos 90, nos Estados Unidos de há décadas, em Cabo-Verde, mais e mais, … as barbearias, os barbershops são ateliês ligados de perto à performance das identificações dos homens, um desses cruzamentos a partir dos quais apreendemos os fluxos complexos que produzem e onde se produzem os homens e os coletivos aos diversos rizomas.

Ler mais