Website on global south and decolonial issues.

público

Entrevista a Tahar Ben Jelloun, “Um livro sobre o amor pode ser político”

É ao mesmo tempo marroquino e francês. Escreve em língua francesa e olha hoje para as transformações sociais e culturais nos países na Primavera Árabe. E espera da nova França uma postura diferente em relação às ditaduras. Com os seus dois passaportes e a crença no papel de escritor “que critica, denuncia, intervém”, Tahar Ben Jelloun esteve no fim de Junho na Fundação Calouste Gulbenkian para dar uma conferência onde se propôs “explicar a Primavera Árabe”. Convidado para participar no programa Próximo Futuro, que este ano se centra no Norte de África em revolução, Ben Jelloun veio também apresentar o livro “O Primeiro Amor É Sempre o Último”, de 1995 (lançado agora pela Quidnovi).
Falou-nos dos islamistas que “se aproveitaram das revoltas”, das mulheres do seu país de nascimento, Marrocos, que aproveitam novas leis para “recuperarem as suas liberdades” e das suas expectativas face à “nova França”, país que fez seu.

Ler mais