Website on global south and decolonial issues.

600 quilómetros

Depois de algumas idas e voltas Lisboa-Madrid-Lisboa, e de outras idas e voltas Maputo-Joanesburgo-Maputo comecei a encontrar pontos de encontro entre a viagem no Sudoeste europeu e a viagem no Sudeste africano. Os dois percursos têm cerca de seiscentos quilómetros, de país para país, de capital para capital; sintonizar noutro idioma ao passar a fronteira, cambiar as notas por outras – actualmente já se salta este passo na Península Ibérica. São viagens em longitude, para Oriente: Madrid e Maputo; para Ocidente: Lisboa e Joanesburgo.

De avião bastam 45 minutos, mas não se vê mais que nuvens e aeroportos. Pode-se ir também de comboio, mas são linhas pouco rectas que não vão direitas ao assunto. Não tendo pressa de chegar, o melhor é ir por estrada, poder sentir a distância espalhada pelas horas que avançam no asfalto. As estradas são boas e a paisagem é bonita, vai-se desenrolando nos vidros, a xis quilómetros por hora: longa-metragem em 3D, com aromas e banco tremido.

foto de Nuno Milagrefoto de Nuno Milagre

É normal que em alguns cantos do planeta, viajando por estrada, quando nos afastamos da urbanidade, quando não passam carros, nem há casas, nem gente; onde há só campo, só mato, às vezes pareça que a paisagem que corre lá fora se poderia localizar noutros longínquos recantos do globo. A paisagem não humanizada é universal e tem pontos de encontro nos dois hemisférios: o mesmo tipo de relevo, cursos de água, prados, arbustos parecidos, vento indistinguível de outros ventos, no seu movimento sem causa aparente.

A zona de Boane pode parecer o território antes ou depois de Navalmoral, e perto de Estremoz poderíamos afinal estar na região de Mpumalanga.

Se aterrássemos sem referências em alguns locais escolhidos a dedo na África do Sul, Espanha, Moçambique ou Portugal, em locais com o mínimo de vestígios dos seus habitantes, facilmente nos poderíamos enganar jurando estar noutro continente.

Durante as horas de viagem podemo-nos entreter a colher simetrias geográficas, mas chegando às cidades, mesmo de olhos fechados, as diferenças saltam à vista.

Em Madrid existe a Plaza de Oriente. Dizem que se chama assim por ter a sua morada a oriente do Palácio Real, construído onde existia o antigo alcazar devorado por um incêndio que o consumiu durante mais de três dias.

foto de Nuno Milagrefoto de Nuno Milagre

A Oriente da Plaza de Oriente, está o hexagonal Teatro Real, heterodoxa geometria do Teatro de Ópera de Madrid. Entre o Palácio e o Teatro, um jardim ao estilo barroco com estátuas de reis visigodos e católicos. Estas e outras estátuas foram feitas para pontuar a cornija superior do Palácio Real, mas reza a lenda que a lisboeta rainha espanhola Maria Bárbara de Bragança, esposa do castelhano Rei Fernando VI, sonhou, no sossego do Palácio, com o estrondoso colapso da cornija sob o peso das estátuas reais, e estas a caírem redondas no chão. Perante apocalíptico pesadelo, e outras conveniências políticas, foram poucas as figuras de pedra que tiveram a honra de ficar a morar no alto do Palácio, com vista para os pontos cardeais. A maior parte ficou-se pelo rés-do-chão, no jardim da praça, ou foram espalhadas pela capital e por outras cidades de Espanha.

Vizinha da ponte Nelson Mandela, a Oriental Plaza de Joanesburgo é tão diferente da madrilena que só no oriental nome coincidem. Aqui, a Oriental Plaza é um grande espaço comercial, com áreas cobertas e ao ar livre. Uma espécie de outlet por grosso e a retalho onde há de tudo. Um grande bazar de produtos orientais, a preços muito em conta ou não a anunciassem como a Meca dos Preços. Nas trezentas lojas da Oriental Plaza encontramos cabeleireiros, filmes e música, electrónica, casas de câmbios, restaurantes, mobiliário, tecidos e roupa, minimercados, lingerie, telemóveis, jóias, e muito mais!

Por comparação a Espanha, a África do Sul tem uma ligação mais marcada e mais antiga com o Oriente. Muito antes de Joanesburgo existir, os holandeses deslocaram para a Cidade do Cabo milhares de escravos do Extremo Oriente a partir do final do século XVII, a meio do século seguinte havia mais escravos que europeus na região do Cabo. A África do Sul, enganadoramente apresentada como um país a preto e branco, tem uma sociedade muito cosmopolita onde vivem há muitas gerações grandes comunidades indianas, malaias, javanesas e outras: mais de um milhão de sul-africanos, cidadãos que não são os pretos nem os brancos do país.

Joanesburgo é uma cidade nova, com pouco mais de cem anos, mas é seguramente uma das cidades do mundo com maior diversidade de comunidades de origem estrangeira. Cresceu com sucessivas vagas de imigrantes vindos da Europa, de todo o continente africano e de muitos países do Médio Oriente e do sul da Ásia: do Líbano à Indonésia. Uns vieram em busca do ouro e da fortuna, outros para trabalhar nas minas, a fazer a fortuna alheia. Já se esgotou o ouro da região de Joanesburgo – as minas hoje são parques temáticos para turistas – mas novos imigrantes continuam a vir para ficar nesta metrópole que ainda exerce grande poder de atracção.

Política sincronizada

Tal como as duas praças orientais de Madrid e Joanesburgo; Lisboa e Maputo também têm duas avenidas com o mesmo nome: Avenida 24 de Julho. Os nomes remetem para o mesmo dia de anos diferentes. O 24 de Julho de 1833 em Lisboa, celebra a entrada na cidade das tropas liberais sob o comando do Duque da Terceira. Em Maputo, o 24 de Julho, até à independência do país, assinalava que nesse dia de 1875 o Presidente francês, Patrice Mac-Mahon, moderando uma contenda entre Portugal e Inglaterra, sentenciou a favor de Portugal na disputa do território do sul de Moçambique que a Império Inglês cobiçava. 24 de Julho, deu o nome à avenida e veio a tornar-se também no feriado municipal, dia da cidade de Lourenço Marques, nome de Maputo no tempo colonial.

foto de Vasco Costafoto de Vasco CostaPela mão de um outro Presidente, o primeiro da República de Moçambique, Samora Moisés Machel, um mês depois da independência do país, publicou-se a Lei das Nacionalizações: no dia 24 de Julho de 1975. Pontaria certeira, um novo marco histórico, precisamente cem anos depois da decisão de Mac-Mahon em 1875.

Após a independência, muitos nomes de cidades moçambicanas e quase todos os nomes das ruas, praças e avenidas das localidades foram alterados. Mas com este sincronismo político irrepreensível entre Machel e Mac-Mahon, manteve-se o nome da Avenida 24 de Julho em Maputo, só mudou a efeméride. Menos umas placas para trocar, e seriam bastantes, pois a avenida é muito longa, sai do centro da cidade alta e só termina na rotunda que já nos encaminha à auto-estrada para Joanesburgo.

Rumar a Madrid e Joanesburgo é ir para a cidade grande e perigosa; onde nos podemos perder, ou encontrar a fama e o glamour, longe do mar, das praias e da boa vida, com clima continental e seco. Cidades mais modernas, cheias de novidades, modernices e perdições, grandes centros de produção cultural e com voos directos para meio mundo.

Rumar a Maputo e Lisboa é ir para o lado mais relaxado dos continentes: menos organização e regras, um ar mais limpo pelos ventos dos oceanos, cidades mais pequenas, com menos milhões de habitantes e de cifrões, mas com palmeiras na marginal à beira Índico ou miradouros para esticar a vista a ver o Tejo. Temperatura mais amena durante todo o ano, metrópoles ma non troppo que prezam com sabedoria o dolce far niente. E o mar ali ao lado, praias, marisco e peixe fresco.

Para um lado, para o outro, para o outro ou para o outro, vale bem a pena fazer os seiscentos quilómetros.

 

 

Originalmente publicado na revista Fugas do jornal Público em Setembro de 2008

 

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Ut elit tellus, luctus nec ullamcorper mattis, pulvinar dapibus leo.